Consórcio chinês compra Itaminas por US$ 1,2 bilhão

Negociação envolve venda da Itaminas Comércio de Minérios S/A, detentora de reservas estimadas em 1,3 bi de toneladas de minério de ferro

Eduardo Kattah, da Agência Estado,

24 de março de 2010 | 19h00

O grupo Itaminas, controlado pelo empresário Bernardo Melo Paz, assinou nesta quarta-feira, 24, uma carta de intenções para a venda de seu ativo de minério de ferro ao consórcio chinês ECE - Birô de Exploração e Desenvolvimento Mineral do Leste da China.

 

A negociação envolve a venda da Itaminas Comércio de Minérios S/A, detentora de uma mina em Sarzedo (MG) com reservas estimadas em 1,3 bilhão de toneladas de minério de ferro na região do Quadrilátero Ferrífero. O acordo prevê que o consórcio chinês adquira 100% da Itaminas por cerca de US$1,2 bilhão.

 

A partir da assinatura da carta de intenções, terá início o processo de due diligence para a conclusão do negócio. "O objetivo dos dois lados é trabalhar o mais rápido possível", afirmou Wilson Brumer, sócio da assessoria Winbros Participações e Empreendimentos, contratada em outubro de 2008 para coordenar a operação de venda e liquidação das dívidas dos sócios da Itaminas, calculada em cerca de US$ 400 milhões.

O estouro da crise econômica internacional, porém, atrasou o processo de negociação. "A gente estrategicamente esperou a coisa reverter", destacou Brumer.

 

As negociações com o consórcio chinês se iniciaram ainda no ano passado e se aceleraram no início de 2010. A Itaminas produz atualmente aproximadamente três milhões de tonenaldas de minério de ferro por ano. A produção é basicamente voltada para o mercado interno.

 

Localizada na região metropolitana de Belo Horizonte, a jazida da Itaminas era considerada o maior recurso mineral à venda no Quadrilátero Ferrífero, onde nos últimos anos ocorreram diversos processos de concentração na região da Serra Azul. "É a maior em disponibilidade num único local. Essa é uma grande vantagem que ela (a reserva) tem em relação a outras. A Itaminas é um corpo mineral só".

 

Os chineses têm demonstrado apetite em relação às reservas disponíveis como forma de reduzir a dependência do país asiático a produtos fornecidos pelas gigantes do setor, como a Vale e a anglo-australiana BHP Billiton. No fim do ano passado, a Votorantim Novos Negócios, do Grupo Votorantim, acertou, por meio de um memorando de intenção, a venda por US$ 430 milhões de seu projeto de minério de ferro no norte de Minas para a Honbridge Holdings.

 

"É uma tendência não só dos chineses, mas dos principais produtores de minério de fazer aquisições", ressaltou Brumer, ex-presidente da Vale, que no primeiro mandato do governador Aécio Neves (PSDB) ocupou a Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

Sediado em Nanjing, capital da província de Jiangsu, o ECE foi fundado em 1955 e congrega empresas de mineração, de pesquisa e de perfuração, além de centros de pesquisa e equipes de exploração geológica, com atuação em países como Indonésia, Camboja, México, Austrália, Irã e Namíbia. O consórcio possui um total de 4,5 mil empregados.

 

Atualmente 170 funcionários trabalham na mina de Sarzedo e a expectativa é que todos sejam incorporados com a concretização do negócio. Segundo Brumer, com a venda da mineradora o grupo Itaminas, além de equacionar toda a dívida acumulada nos últimos anos, pretende manter a participação nas atividades de ferro-gusa e reflorestamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.