Consórcio de Belo Monte aceita prazo até 1º de maio

Não houve acordo durante a audiência de conciliação na Vara da Justiça do Trabalho em Altamira (PA), realizada na quinta-feira entre o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) e o Sindicato da Construção Pesada do Pará (Sintrapav/PA).

FÁTIMA LESSA, Agencia Estado

26 de abril de 2012 | 21h35

O CCBM aceitou em juízo conceder um prazo até o dia 1.º de maio para que o sindicato comunique aos trabalhadores em greve da decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região que decretou a ilegalidade da greve na Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A decisão foi expedida pelo desembargador Georgenor de Sousa Franco Filho.

Por outro lado, o sindicato, por meio do seu departamento jurídico, protocolou ação judicial pedindo a cassação da liminar. A greve dos trabalhadores, de acordo com o Sintrapav, vai continuar.

Os cerca de sete mil trabalhadores do consórcio estão em greve desde a última segunda-feira. Apesar do clima tenso da paralisação, não foi registrado nenhum ato de vandalismo ou agressões por parte dos grevistas nestes três primeiros dias. Só estão funcionando os serviços essenciais.

A deflagração da greve aconteceu depois de duas rodadas de negociações onde as partes não chegaram a um acordo. O CCBM não aceitou aumentar o valor da cesta básica de R$ 90 para R$ 300 e reduzir o período de visita às famílias de seis em seis para três em três meses, como pediam os trabalhadores. Em contraproposta, o consórcio aumentou o valor da cesta básica para R$ 110 e propôs um período de visita em menor intervalo, mas a redução passaria a ser contabilizada como adiantamento de férias, o que não agradou.

Tudo o que sabemos sobre:
Belo Montegreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.