Consórcio que venceu leilão do Rodoanel terá sócio estrangeiro

O consórcio Integração Oeste, quevenceu a licitação do trecho oeste do Rodoanel nestaterça-feira, deve receber um sócio estrangeiro com até 40 porcento de participação no capital da sociedade de propósitoespecífico que será criada para gerir a concessão. O diretor financeiro e de relações com investidores daCompanhia de Concessões Rodoviárias (CCR), Arthur Piotto Filho,informou que a negociação está 99 por cento fechada com umfundo de investimentos que ele evitou identificar. A CCR fazparte do consórcio junto com a Encalso Construções. A constituição da nova empresa estará concluída em maio, quando já estará assinado o contrato de concessão. Estaparticipação deve representar para o fundo entre 240 e 250milhões de reais. "Dois bilhões de reais não é um valor trivial", dissePiotto, referindo-se ao valor da outorga pela exploração por 30anos de trecho do anel viário paulista que deve desafogar otrânsito na capital. O consórcio vencedor também terá a obrigação de fazerinvestimentos de 804 milhões de reais e pagar taxa de 3 porcento a título de outorga variável sobre a arrecadação com osseis pedágios do trecho oeste do rodoanel. Para financiar o fluxo de caixa deste investimento, a CCRassinou na noite de segunda-feira com o banco UBS Pactual doisempréstimos-ponte no total de 1,2 bilhão de reais que devem serutilizados até o final do primeiro ano da concessão. Após esteperíodo, o valor será refinanciado em moeda estrangeira,segundo estratégia que está sendo definida pela CCR. O executivo observou que a CCR tem um nível deendividamento baixo e quer estar "confortável" para quando serealizar o leilão de outras rodovias estaduais de São Paulo. O consórcio venceu o leilão desta segunda-feira oferecendo1,1684 real pelo pedágio, enquanto a tarifa-teto fixada pelogoverno do Estado de São Paulo era de 3 reais. A CCR --que tem como sócios as empresas Brisa, CamargoCorrêa, Serven, e Andrade Gutierrez Concessões-- já administra1.452 quilômetros de rodovias nos Estados de São Paulo, Rio deJaneiro e Paraná. Em novembro de 2006, a CCR assinou contratode uma PPP (Parceria Público Privada) com o governo paulistapara explorar a Linha 4 do Metrô de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.