Consórcio vencedor do Madeira negocia entrada da Vale no grupo

O consórcio vencedor do leilão para ausina de Santo Antônio, no rio Madeira, informou que negociacom a Vale a venda de parte da energia a ser gerada no projeto,acrescentando que isso pode levar a uma participação damineradora no grupo. Mas a Vale afirmou em nota após o leilão que havia"praticamente" fechado acordo com o consórcio concorrenteliderado pela Camargo Corrêa e a CPFL, no último final desemana, e que se efetivaria no caso de vitória. O Consórcio Madeira Energia, que venceu o leilão,representa Odebrecht, Furnas, Cemig, Andrade Gutierrez eSantander-Banif. "A Vale parabeniza e deseja sucesso ao grupo vencedor einforma que está à disposição para negociar com os mesmos, casohaja interesse em nossa empresa", afirmou a companhia em umcomunicado. A mineradora informou ainda que continuará a estudar todasas oportunidades de geração de energia no país para aumentar asua capacidade de geração. Pelas regras do leilão, após a definição do vencedor podeocorrer uma reorganização da composição do consórcio, cominclusão de novos parceiros, com exceção das empresas queparticiparam dos consórcios derrotados. Irineu Meireles, representante do consórcio MadeiraEnergia, vencedor do leilão, informou que a negociação com aVale envolve a venda de parte da energia que poderá sernegociada em mercado livre (30 por cento). O restante terá deser vendido a distribuidoras pelo valor definido no leilão, de78,87 reais por megawatt hora. O grupo vencedor admite ainda que poderia haver ingresso noconsórcio do BNDES, fundos de pensão e outras empresas. (Por Renata de Freitas e Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.