Construção de moradias nos EUA atinge pico em 6 meses

Início de novas construções aumentou 2,8% ante dezembro e 21,1% ante janeiro de 2009

Reuters,

17 de fevereiro de 2010 | 14h30

As novas construções de moradias nos Estados Unidos registraram a maior patamar em seis meses e a produção industrial cresceu 0,9% em janeiro, sugerindo que a recuperação econômica está se firmando no país.

 

O início de novas construções aumentou 2,8%, para uma taxa anual ajustada de 591 mil unidades, revertendo a queda de dezembro, mostrou relatório do Departamento de Comércio. Frente a janeiro de 2009, houve aumento de 21,1%, o maior desde abril de 2004.

 

Analistas esperavam leitura de 580 mil unidades em janeiro deste ano. "É uma surpresa positiva de todos os lados e mostra que a demanda de modo geral aumentou. É um importante elemento para observar conforme saímos de um ciclo baseado em incentivos para um crescimento mais orgânico", disse Craig Peckham, estrategista de ações na Jefferies&Co, em Nova York.

 

Outro relatório, do Federal Reserve, mostrou que a produção industrial cresceu 0,9%, com os setores manufatureiro, minerador e de serviços públicos avançando.

 

O uso da capacidade instalada subiu para 72,6%, ante 71,9% um mês antes, mas ainda está 8 pontos percentuais abaixo da média vista de 1972 a 2009.

 

No setor imobiliário, o início de construção de moradias para uma única família aumentou 1,5% em janeiro, para uma taxa anual de 484 mil unidades, após cair 3% em dezembro.

 

Mesmo com as taxas de hipotecas perto do recorde de baixa, a demanda por empréstimos imobiliários continua letárgica. As aplicações caíram 2,1%, enquanto o refinanciamento recuou 1,2%, informou a Associação de Bancos de Hipotecas.

 

O início de construção de moradias teve um pico em janeiro de 2006, com ritmo anual de 2,273 milhões de unidades, e chegou ao fundo do poço com 479 mil unidades em abril passado. Desde então, o indicador vem oscilando entre 500 mil e 600 mil unidades.

 

Os alvarás, que dão uma ideia da atividade futura na construção, caíram 4,9%, para 621 mil unidades, em janeiro, após terem subido em dezembro para o maior nível em 14 meses.

 

Outro relatório do Departamento de Trabalho mostrou que os preços de importados subiram 1,4% em janeiro, impulsionados por um salto do gás natural e outros combustíveis. Os preços de exportados avançaram 0,8%. Analistas esperavam alta de 0,9% para os preços de importados e de 0,4% para os exportados.

 

(Por Lucia Mutikani, Emily Kaiser e Doug Palmer)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.