Consumo das famílias cresce em ritmo menor

Desaceleração da massa salarial e do crédito influenciaram resultado, segundo o IBGE

Mônica Ciarelli, Mariana Durão, Antonio Pita e Vinicius Neder, Agência Estado

30 de agosto de 2013 | 10h58

RIO - O consumo das famílias no segundo trimestre registrou alta de 0,3% ante o trimestre anterior. Em relação ao mesmo período de 2012, a alta foi de 2,3%.

Esta é a 39ª alta consecutiva do setor, de acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira, 30, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O consumo das famílias, entretanto, cresce em ritmo menor que nos anos anteriores.

"Há um consumo menor, influenciado por muitos fatores, como a desaceleração da massa salarial em relação ao trimestre anterior. Crédito também desacelerou. Vários trimestres foi o consumo das famílias que puxou a alta do PIB, ele ainda pesa muito", afirmou a coordenadora.

A massa de rendimento real habitual dos ocupados em julho apresentou quadro de estabilidade frente a junho, enquanto na comparação com julho de 2012, havia crescido 2,7%. A massa de rendimento real efetivo dos ocupados estimada em junho de 2013, variou -0,8% no mês e 2,1% no período de um ano. 

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.