Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Consumo de cigarros cresce no Nordeste, Grande Rio e Distrito Federal

Venda de cigarros cai 3% no interior de São Paulo e cresce 10% na região metropolitana do Rio de Janeiro

Lílian Cunha, de O Estado de S. Paulo,

19 de agosto de 2012 | 21h09

Para chegar aos fumantes das regiões mais pobres do País, as grandes multinacionais, como Souza Cruz e Philip Morris, tiveram de se render ao longo dos anos ao popular "cigarro picado", vendido avulso. Nesses lugares, os fumantes preferiam comprar apenas uma unidade a ter de pagar pelo maço inteiro, que sairia caro demais.

Mas isso agora é passado. "Muita gente agora pode comprar o maço todo em vez de só um cigarro ou dois", diz o professor do Programa de Administração de Varejo da FIA (Provar), João Carlos Lazzarini.

Distrito Federal, Nordeste e Grande Rio são as únicas regiões do País onde o consumo de cigarro cresce em número de unidades vendidas, segundo levantamento da Nielsen. Para se ter uma ideia, no interior de São Paulo e na região metropolitana da capital paulista, as vendas de janeiro a abril caíram 3,12% e 2,28%, respectivamente. Na região da Grande Rio elas deram um salto de 10,76%, na comparação com os mesmos meses do ano passado.

Os números da pesquisa Nielsen, porém, contam apenas os cigarros do mercado formal. Os ilegais, que costumam ter preço abaixo de R$ 4, já são 28% do total consumido no País, segundo dados da indústria. "Muita gente de baixa renda que fumava cigarro paraguaio agora está migrando para os cigarros formais", diz Renato Meirelles, presidente do instituto Data Popular. "No Nordeste, quem fumava cigarro de palha agora compra o industrializado", acrescenta Meirelles.

Esse fenômeno da sofisticação do consumo de cigarros não é exclusividade do Brasil. Acontece também na África. A British American Tobacco (BAT), por exemplo, teve queda na venda global de cigarros, de 708 bilhões para 705 bilhões no ano passado. Na África, porém, teve alta de 2,3% em volume. Em valor, a alta foi de 12%, o que demonstra que o africano está comprando marcas mais caras.

Mercado na China

Do total de 5,9 trilhões de cigarros consumidos globalmente em um ano, 2,9 trilhões são fumados por chineses, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). A China, que é responsável por 38% do consumo mundial de tabaco, pode ser considerada um paraíso para fumantes que querem dar suas baforadas em paz.

Lá, os 350 milhões de chineses que fumam regularmente não são alvo de nenhuma campanha antitabagismo, uma vez que elas não existem. Também não há avisos alarmantes nas embalagens e nem mesmo fotos chocantes alusivas aos malefícios que os cigarros podem causar.

Não é para menos: a maior fabricante de fumo do país, a China National Tobacco Corporation, pertence 100% ao estado chinês. A empresa é a maior fabricante mundial de tabaco, com 2,1 trilhões de cigarros em 2010 (os números de 2011 ainda não foram divulgados). Naquele ano, a CNTC teve lucro líquido de US$ 18 bilhões - mais, por exemplo, que o lucro combinado da Philip Morris International e da British American Tobacco naquele ano.

Tudo o que sabemos sobre:
cigarrosindústriaconsumonielsen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.