Consumo de energia elétrica cresce 2,8% em 12 meses

Na comparação entre o primeiro trimestre de 2011 e o mesmo intervalo de 2010, a expansão foi de 4,8% 

Wellington Bahnemann, da Agência Estado,

26 de abril de 2011 | 11h30

O consumo de energia elétrica cresceu 2,8% em março de 2011 frente à igual mês de 2010, de 35,166 mil GWh para 36,154 mil GWh, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Na comparação entre o primeiro trimestre de 2011 e o mesmo intervalo de 2010, a expansão foi de 4,8%, para 107,231 mil GWh. No acumulado em doze meses, o aumento no consumo de energia foi de 6,7%, para 420,68 mil GWh. Os dados constam na resenha mensal do mercado de energia elétrica, divulgado pela EPE, órgão do Ministério de Minas e Energia (MME).

De acordo com a EPE, as principais classes de consumo apuraram queda no ritmo de crescimento da demanda. Tal comportamento era esperado por conta do carnaval, que reduziu o número de dias úteis. O segmento industrial, por exemplo, reportou alta de 2,6% no consumo de energia entre março de 2011 e igual mês do ano passado, para 15,243 mil GWh. O resultado foi influenciado negativamente pelo recuo de 3,7% no consumo das indústrias da Região Nordeste no período.

Nesse mesmo intervalo de comparação, o consumo residencial no País cresceu 3,8%, para 9,5 mil GWh. Além do impacto do carnaval, tal desempenho também refletiu temperaturas mais baixas na comparação com março de 2010 nas Regiões Sul e Centro-Oeste do País, além de um alto índice de chuvas no Nordeste e no Pará, contribuindo para um menor uso dos sistemas de refrigeração. A EPE ainda informou um aumento de 3,5% no consumo do setor comercial no período, para 6,37 mil GWh.

No mercado livre, no qual os consumidores podem escolher de quem comprar energia, a EPE reportou um crescimento de 9,2% na demanda em março de 2011 ante igual mês de 2010, para 9,2 mil GWh.

Tudo o que sabemos sobre:
EPEenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.