Continuamos em busca de aquisições, diz Eletrobras

Declaração foi feita pelo presidente da estatal, após derrota na oferta de compra por participação na EDP nesta quinta

Andréia Lago, da Agência Estado,

22 de dezembro de 2011 | 17h30

SÃO PAULO - Após fracassar na sua oferta de compra pela participação de 21% no capital da Energias de Portugal (EDP), a Eletrobras informou que continua em busca de oportunidades de aquisição no exterior. A empresa estava entre as quatro ofertas que disputavam a compra da fatia de 21% na EDP vendida pelo governo de Portugal.

A empresa vencedora foi a chinesa Three Gorges, com uma oferta de € 2,69 bilhões, ou € 3,45 por ação.

"Falei com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e ele lamentou não termos vencido, mas aprendemos muito com isso", disse o presidente da Eletrobras. Segundo ele, Coutinho afirmou que "a porta está aberta" para futuros financiamentos do BNDES para a compra de ativos no exterior pela estatal.

"Vamos seguir em frente com nossa política de tentar aumentar nossa receita com operações internacionais, mas agora não temos nenhuma meta específica", afirmou Carvalho Neto. A meta da Eletrobras é atingir 10% de receita com operações internacionais até 2020.

Fontes envolvidas nas negociações informaram que a oferta da Eletrobras foi de € 3,28 por ação. Questionado sobre a oferta da estatal brasileira pela EDP, o presidente José Carvalho Neto disse que "foi muito boa", mas admitiu que a demanda da Eletrobras para elevar sua participação a 32% pode ter prejudicado sua oferta.

Segundo Carvalho Neto, a estatal queria ter espaço para elevar sua participação para enfrentar qualquer disputa sobre o controle da empresa portuguesa caso os minoritários vendessem suas ações para uma empresa concorrente da Eletrobrás após a compra dos 21%. "Eles não aceitaram isso, e nós temos de respeitar", afirmou. "Esse ponto pesou bastante sobre nossa oferta, embora eu não saiba se essa foi a principal razão."

Derrota esperada

A derrota da Eletrobrás na disputa pela fatia da portuguesa EDP não foi vista com surpresa no BNDES, que estava preparado para financiar a oferta da estatal brasileira. Técnicos do banco não escondem que não faltarão recursos ao plano de internacionalização da Eletrobrás, visto como estratégico para o aumento de escala da companhia para liderar investimentos e abrir mercados para fornecedores brasileiros.

O BNDES já esperava uma proposta financeira superior da chinesa Three Gorges, que venceu a disputa, mas via boas chances de a Eletrobrás vencer com o peso de compromissos relativos à política industrial de compras nacionais que os chineses teriam dificuldades de assumir. No entanto, a derrota da Eletrobrás não muda em nada a intenção do banco de financiar seus voos internacionais.

Com desembolsos abaixo do esperado nesse final de ano e com o caixa reforçado por novos créditos do Tesouro, o BNDES não tinha dificuldades orçamentárias para realizar a operação e mantém a disponibilidade de recursos para os planos da estatal. Nas palavras de uma fonte, o resultado apenas livrou o BNDES de estruturar uma operação complexa, que estava em gestação na Área Internacional do banco.

O governo chegou a publicar, sob encomenda para o caso da Eletrobrás, um decreto autorizando instituições financeiras a usar recursos captados no exterior para financiar diretamente, lá fora, empresas brasileiras em operações de aquisições em outros países consideradas estratégicas. No entanto, o decreto não saiu em tempo hábil para ser incorporado à política operacional do banco de fomento. Com isso, uma operação alternativa estava sendo desenhada na área de internacionalização de empresas.

A partir de agora, o financiamento direto no exterior estará mais fácil. Esse tipo de operação tem vantagens fiscais que reduzem os custos da operação.

As informações são da Dow Jones.

Texto atualizado às 17h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.