Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Controladores da Fibria confirmam proposta da Paper Excellence pela empresa

Paper Excellence teria manifestado interesse pela empresa avaliando a Fibria em R$ 40 bilhões; Suzano também está na disputa pela empresa

Márcio Rodrigues, Fernanda Guimarães e Fabiana Holtz, O Estado de S.Paulo

13 Março 2018 | 11h40

A Fibria divulgou fato relevante confirmando que a Paper Excellence, por meio de sua subsidiária CA Investment, fez uma oferta "não solicitada" pela fatia do BNDESPar na empresa. O texto vem em resposta a questionamentos enviados pela B3 sobre matérias veiculadas na imprensa. Ontem, o Estadão/Broadcast informou que a Paper Excellence teria feito uma proposta avaliando a Fibria em R$ 40 bilhões.

+ Novo interessado na Fibria agita Bolsa paulista

O BNDESPar detém 29,08 da Fibria e a Votorantim, outros 29,42%. Segundo o fato relevante, a manifestação da CA Investment é "condicionada à implementação de diversos eventos futuros, acerca dos quais não é possível prever qualquer conclusão neste momento".

"Desde então, o BNDESPar vem solicitando uma série de esclarecimentos à CA Investment para compreensão da referida manifestação, a qual é extensível à Votorantim por meio do direito de venda conjunta (tag along) previsto no Acordo de Acionistas celebrado entre BNDESPar e Votorantim, e considera também a consequente necessidade de realização de oferta pública de aquisição da totalidade das ações em circulação da Fibria", informou a Fibria no documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"Termos e condições da referida manifestação de interesse permanecem confidenciais", continuou o texto.

+ Suzano e Fibria voltam a discutir possível fusão para criar gigante global

Adicionalmente, Votorantim e BNDESPar informaram que as negociações com a Suzano Papel e Celulose continuam em andamento. "Reiteramos que, não obstante tais negociações, não há garantia de que qualquer negócio venha a se concretizar", mencionou o fato relevante.

Ontem, o Estadão/Broadcast informou que as conversas da Fibria com a Suzano estavam adiantadas, mas a questão de preço ainda precisava ser fechada.

Para a equipe de analistas do JPMorgan, em relatório recente, embora existam diversos obstáculos para que as empresas encontrem os termos ideais de um acordo, uma resolução deve ser anunciada o mais breve possível, considerando que o acordo de acionistas (BNDES/Votorantim) expira em 19 de outubro. Lucas Ferreira, Rodolfo Angele e Caio Ribeiro, do JPMorgan, calculam que a combinação das duas empresas tem um potencial de sinergias (sendo conservador) entre R$ 7 bilhões e R$ 12 bilhões.

Disputa. Há quase um mês, a Fibria e a Suzano retomaram conversas para uma fusão, conforme antecipou o Estado. As duas empresas estariam nas discussões finais para assinar contrato.  A corrida da Suzano em negociar uma fusão com a sua concorrente foi motivada exatamente pelo apetite já demonstrado da Paper Excellence no negócio. Depois de fazer uma oferta agressiva e desbancar concorrentes para a aquisição da Eldorado, da J&F Investimentos, no ano passado, a empresa já havia sondado a Fibria.

+ Fibria lucrou 34% menos no ano passado

A união da Fibria com Suzano torna a companhia de celulose uma gigante mundial. A Paper Excellence tem bala na agulha para comprar a Fibria e se consolidar no Brasil, tudo o que Suzano quer evitar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.