Conversa entre governo grego e troica foi ‘positiva’, diz fonte

Segundo fonte do Ministério das Finanças do país, encontros  foram realizadas em um ambiente 'positivo e criativo'

Álvaro Campos, da Agência Estado,

29 de setembro de 2011 | 15h20

A Grécia concluiu nesta quinta-feira, 29, a primeira rodada de reuniões presenciais com a troica de inspetores internacionais que avalia as medidas adotadas pelo país para reduzir o déficit orçamentário. Segundo uma autoridade do Ministério das Finanças, as conversas foram "positivas".

"Nós estamos satisfeitos, porque as conversas foram realizadas em um ambiente positivo e criativo, após as difíceis decisões que foram tomadas e os sacrifícios feitos pelo povo da Grécia", comentou a fonte do ministério, que pediu para não ser identificada.

Os representantes da troica - formada por Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Central Europeu (BCE) - devem continuar suas reuniões com o ministro de Finanças, Evangelos Venizelos, e outras autoridades do governo grego nos próximos dias, disse a fonte ouvida pela Dow Jones, sem dar mais detalhes.

Altos representantes da troica voltaram hoje para Atenas, após um intervalo de quatro semanas, para avaliar se o país poderá receber a próxima parcela do primeiro pacote internacional de resgate. Recentemente o governo grego anunciou uma série de medidas de austeridade, incluindo demissões no setor público, novos impostos sobre os contribuintes que ganham menos e cortes adicionais nas aposentadorias. Sem a nova tranche, a Grécia ficará sem dinheiro para pagar suas obrigações em meados de outubro.

Após se encontrar hoje com a chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, foi para Varsóvia (Polônia), onde se reunirá com o presidente do Conselho Europeu, Herman Von Rompuy amanhã. Depois o líder grego vai a Paris, para um encontro com o presidente francês, Nicolas Sarkozy. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
greciaconversastroica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.