Conversas com a troica são cruciais e difíceis, diz ministro grego

Inspetores do FMI, da Comissão Europeia e do BC europeu chegaram na noite do último domingo à Atenas para uma semana de negociações

Álvaro Campos, da Agência Estado,

12 de dezembro de 2011 | 15h37

ATENAS - O ministro de Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, afirmou nesta segunda-feira, 12, que o país espera concluir as conversas com os credores do setor privado sobre o desconto (haircut) no valor dos bônus soberanos até o fim de janeiro do ano que vem.

O desconto faz parte do segundo pacote de resgate para a Grécia, que totaliza 130 bilhões de euros, e cujas negociações preliminares começaram hoje, com a visita de inspetores da Comissão Europeia (braço executivo da União Europeia), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Central Europeu (BCE).

A chamada troica chegou à capital grega na noite de ontem (horário local), para o início de uma semana de negociações. "As conversas com a troica são cruciais e difíceis", comentou Venizelos.

As discussões devem se focar no novo pacote de medidas de austeridade, de 6 bilhões de euros, para o período de 2013 e 2015. A Grécia precisa detalhar as medidas até junho do ano que vem. Os inspetores devem exigir a aceleração de duras reformas estruturais, como cortes no salário mínimo e a reformulação do sistema tributário.

Paralelamente, um comitê de credores privados da Grécia também está em Atenas para trabalhar em um plano de reestruturação da dívida. Venizelos, que se encontrou mais cedo com o diretor do Instituto Internacional de Finanças (IIF), Charles Dallara, disse estar "muito otimista" sobre o resultado das conversas.

"Nós estamos tentando sincronizar os dois procedimentos, para ter um cronograma unificado (para o novo pacote de resgate e o plano de reestruturação da dívida", afirmou o ministro.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
troicagreciaevangelos venizelos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.