Patrocinadora veta nome de políticos em camisetas da seleção

Site da Nike impede o uso de nomes como Dilma, Aécio ou Lula, mas permite termos como Vexame e Sete a Um

Cley Scholz, O Estado de S. Paulo

11 Julho 2014 | 11h38

 Texto atualizado às 13hs

SÃO PAULO - A Nike desmentiu a informação de que o seu site de venda de camisas da seleção personalizadas tenha critérios para vetar nomes de políticos da situação ou da oposição.

O site permite encomendar camisetas e trocar a estampa do nome do jogador por palavras escolhidas pelo comprador.

Alguns internautas denunciaram na internet que a empresa estaria vetando nomes de políticos como o da presidente Dilma Rousseff. A empresa confirmou que veta vários nomes e termos. Os nomes Dilma, Aécio ou Lula, por exemplo, são vetados, assim como a palavra Fora.

É possível personalizar as camisetas com termos como 'Sete a um' ou 'Vexame', até o momento não vetadas pela Nike. Termos ofensivos e alguns nomes são censurados. É impossível, por exemplo, escrever o nome da Adidas na camiseta da Nike.

Internautas passaram a se divertir escolhendo nomes para ver se a empresa permite. O nome de Messi, por exemplo, é vetado, mas é possível encomendar uma camiseta com o nome do atacante alemão Klose. 

O site da empresa deixa claras as regras para customizar e personalizar as camisetas. "A Nike não permite o uso de palavras ou imagens ofensivas em seus produtos customizados", informa a empresa. São vetados também conteúdos racistas, políticos, religiosos, agressivos, criminosos, sexuais ou qualquer tipo de vinculação com marcas não autorizadas".

O preço da camiseta é de R$ 349,90 ou dez parcelas de R$ 34,99. O site permite até cinco unidades compradas de cada vez. Além da seleção do Brasil, a Nike patrocina as seleções da Austrália, Croácia, Inglaterra, França, Grécia, Holanda, Portugal, Coreia do Sul e Estados Unidos.

Às 13 horas desta sexta-feira, 11, a Nike divulgou um comunicado oficial sobre a polêmica:

"A Nike não é filiada a nenhum partido político, não só no Brasil como no mundo todo. Além disso, o sistema do website nike.com, como descrito na própria página, não permite customizações com palavras que possam conter qualquer cunho religioso, político, racista ou mesmo palavrões. Este sistema é atualizado periodicamente visando cobrir o maior número de palavras possíveis que se encaixem nesta regra".

Mais conteúdo sobre:
Nike Copa 2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.