Copersucar cria associação com grupo de Dubai

A Copersucar anunciou a criação de uma joint venture (associação) com o grupo JAG-Jamal Al-Ghurair, de Dubai, para contratar e gerenciar o transporte marítimo de açúcar. A expectativa é de que a nova empresa, chamada Copa Shipping Company, exporte 5 milhões de toneladas de açúcar e 600 milhões de litros de etanol no primeiro ano de atividade.

EDUARDO MAGOSSI, Agencia Estado

21 de janeiro de 2011 | 11h05

A joint venture possui participação de 50% da Copersucar e 50% do grupo JAG. ?Acreditamos que, em três anos, estaremos gerenciando a exportação de 8 milhões de toneladas?, afirmou o presidente executivo da Copersucar, Paulo Roberto de Souza. A nova empresa vai permitir que a Copersucar amplie suas exportações de açúcar bruto a granel. O grupo JAG tem a maior refinaria do mundo, a AKS, em Dubai, com capacidade de refino de 2 milhões de toneladas por ano.

Com a união, a Copersucar vai investir na ampliação de seus terminais de recebimento de açúcar no Porto de Santos. No total, serão investidos cerca de R$ 400 milhões em logística em 2011 e 2012. Hoje, a Copersucar tem três terminais para exportação de açúcar ensacado (refinado ou cristal) e dois para exportação a granel (demerara).

?Vamos transformar um desses terminais de açúcar ensacado para açúcar a granel?, explica o presidente do Conselho de Administração da Copersucar, Luís Roberto Pogetti. Segundo ele, a tendência é de que as exportações de açúcar demerara aumentem. ?É mais racional que o açúcar seja refinado localmente. Além disso, nossa parceira na Copa é dona de uma grande refinadora, a AKS?, explica. A expectativa é de que 75% das exportações da Copersucar sejam de açúcar demerara e somente 25% de refinado.

Para obter recursos para a expansão de seus projetos, Pogetti disse que a empresa analisa ?várias formas de captação?. O executivo não descarta a possibilidade de a empresa abrir o capital na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). ?É uma opção, mas vai depender de nossos estudos?, afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.