Estadão
Estadão

Corretora de seguros da Caixa pode captar R$ 600 mi no 1º IPO do ano

Operação, que marca a reabertura das ofertas iniciais de ações na bolsa brasileira, despertou o apetite dos investidores, fazendo com que a demanda por papéis da Par Corretora atingisse os R$ 5 bi; estreia está prevista para o dia 5 de junho

Aline Bronzati , O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2015 | 05h00

A corretora de seguros da Caixa Econômica Federal vai estrear no pregão da BM&FBovespa na próxima sexta-feira, reabrindo as ofertas de capital na bolsa brasileira, depois de um período de seca que durou sete meses. A operação chama a atenção não só por ser a primeira do ano, mas por ter despertado fortemente o interesse dos investidores. A demanda pela oferta pública inicial da Par Corretora chegou a R$ 5 bilhões, fazendo a empresa elevar o teto estipulado para compra da ação de R$ 11,60 para R$ 12,35, segundo apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Com isso, a oferta inicial (IPO, na sigla em inglês) da companhia, que tem entre os sócios a Caixa e a GP Investimentos, pode ultrapassar os R$ 600 milhões, considerando o lote suplementar, correspondente a 10% do principal. O intervalo de preço inicialmente proposto ia de R$ 11,25 a R$ 11,60.

A demanda em torno de dez vezes a prevista inicialmente foi impulsionada, conforme fonte a par do assunto, não só pelo interesse do mercado, mas, principalmente, pelo fato de três investidores internacionais, não mencionados no prospecto, já terem indicado intenção em comprar cerca de 70% do IPO. “É um negócio de serviços, com geração de caixa, que paga dividendo e não está muito exposto à crise. A demanda surpreendeu”, diz a fonte.

Nesta segunda-feira, ao longo do dia, os bancos que assessoram a operação tentaram negociar com a gestora de recursos Gávea, do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, para mudar o teto da faixa de preço. De acordo com o prospecto preliminar, a Gávea tinha se comprometido a “ancorar” a operação, comprando um valor equivalente a R$ 140 milhões. Se a precificação ficasse fora da faixa de preço indicada, a gestora não teria obrigação de realizar o investimento privado. Como os bancos e Gávea não chegaram a um acordo, o fundo não deve mais ancorar a abertura de capital. Procurada, a gestora não comentou o assunto até o fechamento da edição.

O segmento almejado pela Par Corretora é o Novo Mercado, de mais alto nível de governança corporativa da BM&FBovespa. Os coordenadores da oferta da Par são o Bradesco BBI, como líder, JPMorgan, BTG Pactual, Credit Suisse e Itaú BBA.

Os acionistas vendedores serão a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal, que possui 21,35% da Par; a Évora Fundo de Investimento em Participações (3,65%); e a Algarve, da GP Investimentos (17,70%). Após a oferta, independentemente da execução do lote suplementar, a Federação sairá da Par Corretora, enquanto a Évora reduzirá sua fatia para 1,79% e a Algarve, para 13,01%, em ambas as situações em considerar o lote extra. A Caixa não diminuirá sua participação, de 25% via Caixa Seguros e de 26% por meio da Par Participações.

Potencial. A expectativa é de que os papéis devem disparar em seu pregão de estreia, principalmente porque a empresa está inserida em um setor com potencial de crescimento. Apesar da economia fraca, o segmento de seguros registrou expansão de 22,4% no primeiro trimestre ante o mesmo período do ano anterior, totalizando R$ 42,5 bilhões em receitas, segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Além disso, também soma a favor o fato de a Par Corretora ter exclusividade de explorar o balcão da Caixa Econômica Federal para vender seguros. Ao ter acesso ao balcão da Caixa, a empresa tem à disposição 78,3 milhões de clientes, sendo mais de 2,1 milhões de clientes pessoas jurídicas, conforme dados de dezembro, e acesso a 3.391 agências do banco, 13.250 agências lotéricas e 18.211 correspondentes bancários. No primeiro trimestre, a Par Corretora viu seu lucro crescer 85% na comparação com o mesmo período do ano anterior, ultrapassando mais de R$ 30 milhões no período. Seu patrimônio líquido era de R$ 114,1 milhões ao fim de março.

A operação da Par Corretora deve preparar o terreno para a esperada oferta bilionária da Caixa Seguros. Antes disso, o ressegurador IRB Brasil Re deve testar o apetite do mercado com uma abertura de capital de R$ 3,5 bilhões a R$ 4 bilhões, último passo para sua privatização. A bolsa brasileira não emplaca IPOs desde outubro do ano passado, quando a Ouro Fino, que atua no segmento de saúde animal.

Desistência. A Azul Linhas Aéreas vai ter de esperar mais um pouco para realizar sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). Conforme informações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a companhia desistiu de sua terceira tentativa, em menos de dois anos, de abrir seu capital. Fontes próximas à empresa reiteraram que ela seguirá atenta às condições de mercado para realizar a emissão, possivelmente ainda em 2015. A oferta da Azul é estimada em R$ 1 bilhão. Além da listagem na BM&FBovespa, a Azul pretendia fazer a oferta no exterior, com a emissão de ADRs. / COLABOROU LUCIANA COLLET

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.