Corretora Qualicorp vende controle ao fundo Carlyle

O The Carlyle Group, uma das maiores gestoras do mundo de fundos de private equity (fundos de participações em empresas), anunciou hoje a compra do controle da Qualicorp, corretora focada na venda de planos de saúde para a classe média. A aquisição inclui a compra da participação que a gestora General Atlantic adquiriu na empresa em 2008, quando adquiriu 40% da empresa por cerca de US$ 100 milhões, e ainda um aporte na empresa. Os detalhes não foram divulgados.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, Agencia Estado

19 de julho de 2010 | 17h52

Heráclito Brito, diretor-superintendente do Grupo Qualicorp, permanecerá no comando do grupo. Brito era o principal executivo da Bradesco Saúde e foi para a Qualicorp em março deste ano. Em comunicado, o executivo diz que até agora a corretora vinha crescendo de forma orgânica e o negócio com o Carlyle "aumentará a capacidade de realizar novas aquisições".

A Qualicorp pretende diversificar a atuação e oferecer produtos para as classes C e D. A Qualicorp, fundada em 1997, atua em todo o País e tem 2,8 milhões de clientes. A operação deve ser concluída em agosto e está sujeita à aprovação de órgãos reguladores brasileiros.

O Carlyle faz seu segundo investimento no Brasil em menos de oito meses. No início do ano, comprou o controle da operadora de turismo CVC por cerca de R$ 700 milhões. O valor do aporte na Qualicorp não foi revelado. O grupo tem US$ 90 bilhões em ativos sob gestão, distribuídos em 67 fundos. Segundo comunicado da gestora, desde 1987, já investiu US$ 61 bilhões em 969 transações.

Os recursos para a conclusão desta transação virão dos fundos Carlyle Partners V e do Carlyle South America Buyout Fund. O Banco Bradesco BBI e os escritórios jurídicos Latham & Watkins e Barbosa, Müssnich & Aragão assessoraram o Carlyle na operação. O Grupo Qualicorp foi assessorado pelo banco Credit Suisse, BR Partners e pelas firmas de advocacia Davis Polk & Wardwell e Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.