Cosan negocia compra da Destivale por R$ 120 milhões

Ribeirão Preto 3 - O Grupo Cosan negocia a compra da Destilaria Vale do Tietê S.A. (Destivale), de Araçatuba (SP). O maior conglomerado privado sucroalcooleiro do País - com 14 unidades próprias e sociedade em outras três - teria oferecido, de acordo com informações do setor, R$ 120 milhões pela usina paulista e assumiria o passivo que ainda está sendo calculado, condição final para que o negócio seja ratificado. Com isso, o valor líquido da compra ficaria entre R$ 90 milhões e R$ 100 milhões, com a primeira parcela, de R$ 40 milhões, paga no fechamento do negócio. A negociação demorou cerca de dez dias para ser firmada e o Grupo Cosan não foi o primeiro a se interessar pela Destivale. Entre os interessados, a Coinbra, do grupo francês Louis Dreyfus e outros usineiros paulistas, chegaram a se reunir com a diretoria da Destivale. Só que o Grupo Cosan foi para o negócio bastante capitalizado. Em meados de outubro, o grupo encerrou a captação de US$ 200 milhões por meio da emissão de debêntures para vencimento em 2009, com juros de 9% e preço de emissão de 99,011% do valor de face. À época, o mercado ventilava duas hipóteses para a captação: alguns acreditam que o maior grupo privado sucroalcooleiro do Brasil buscaria ampliar os investimentos, o que está ocorrendo, e outros falaram que o volume seria para a ampliação do capital de giro. Com sede na cidade-pólo da nova fronteira sucroalcooleira de São Paulo, a Destivale processa cerca de 1 milhão de toneladas de cana-de-açúcar, produz até 50 milhões de litros de álcool e 50 mil toneladas de açúcar por safra. Na empresa, a informação é de que a diretoria da usina só estaria na unidade na próxima segunda-feira pela manhã. Já a Cosan foi procurada e não se manifestou sobre a negociação

Agencia Estado,

03 de dezembro de 2004 | 18h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.