Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Covid e influenza cancelam centenas de voos e afetam outros setores

Cerca de 500 voos da Azul e da Latam já foram afetados; parte do segmento de hotéis também pode ter falta de mão de obra

Circe Bonatelli, Juliana Estigarríbia, Lucas Agrela, Talita Nascimento e Érika Motoda, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2022 | 05h00

Mais de 500 voos foram cancelados após o aumento de casos de covid-19 e de influenza, tanto entre pilotos e tripulantes de aeronaves quanto no País como um todo. Voos da Azul e da Latam foram os mais afetados. A Gol disse não ter reportado cancelamentos.

No domingo, a Latam informou o cancelamento de 47 voos. Na segunda, a companhia confirmou mais 53 voos cancelados. Nos próximos dias, outros 62 voos serão cancelados, totalizando 162 trechos. 

Na Azul, funcionários receberam um e-mail do presidente, John Rodgerson, na semana passada, alertando para o “alto número de dispensas médicas” na companhia. Com 5% dos voos afetados na quinta-feira passada e 10% a partir de sexta, 387 voos da companhia foram cancelados até o momento, elevando o total no País para 547 (considerados os dados da Latam).

O Procon-SP notificou Azul e Latam, pedindo explicações sobre os cancelamentos dos últimos dias. “As empresas deverão informar até a próxima quarta-feira (amanhã) quantos voos foram cancelados, quantos passageiros foram afetados, a previsão para os próximos 15 dias e qual o plano de contingência para minimizar os danos sofridos pelos consumidores”, disse a entidade de defesa do consumidor.

Outros segmentos 

A Associação Brasileira das Empresas de Serviços Auxiliares ao Transporte Aéreo (Abesata) informou ontem que 5% a 10% dos funcionários do setor foram afastados por covid-19.

“Houve aumento de casos de covid-19 no setor, mas não tivemos problemas de falta de atendimento. As empresas estão se readaptando com horas extras e manobras na escala”, afirmou o presidente da Abesata, Ricardo Miguel.

Já a BLTA, associação que congrega hotéis de luxo como Fasano, Copacabana Palace e Emiliano, disse já estar sofrendo com a falta de pessoal. A associação reporta alta nos casos de influenza e covid-19 em um momento de cenário aquecido para as reservas.

Na área de saúde, estima-se que os hospitais privados brasileiros tenham hoje 10% de suas equipes afastadas. O número vem de conversas da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) com as redes associadas, mas não há levantamento formal. O diretor executivo da Anahp, Antônio Britto, diz que o atendimento já está sendo prejudicado. “Ninguém tem 10% de funcionários sobrando”, afirma Britto.

Lojistas de shoppings são contra reduzir os horários por nova onda

A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) não vê necessidade de reduzir os horários do setor por causa da nova onda de infecções pela variante Ômicron da covid-19 e pela influenza. 

Para os casos de afastamento de funcionários por questões médicas, o presidente da entidade, Nabil Sahyoun, sugere a contratação temporária de substitutos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.