Credit Suisse planeja sair do private banking

O Credit Suisse planeja sair do segmento de private banking para clientes ricos em dezenas de países, informou o porta-voz da instituição, Marc Dosch, ao Wall Street Journal. "A revisão de mercado considerou os custos gerais de fazer negócios, incluindo aspectos regulatórios e operacionais", disse.

Agencia Estado

24 de setembro de 2013 | 16h13

Segundo Dosch, a saída do Credit Suisse se dará em países muito pequenos ou onde a instituição tem poucos clientes. Esse anúncio surge após uma reestruturação que envolveu a venda de outros negócios, o fortalecimento da estrutura de capital do banco e a desistência de aspectos mais arriscados no segmento de banco de investimento.

Mais cedo, o jornal suíço Tages-Anzeiger havia informado que o Credit Suisse fecharia suas operações de gerenciamento de fortunas em 50 países, incluindo Angola, Turcomenistão e Bielo-Rússia. Clientes de Israel e da Dinamarca com ativos de menos de 1 milhão de francos suíços também seriam afetados, completou o jornal.

Nos mercados mais maduros, o banco está se focando no que são conhecidos como clientes com patrimônio líquido ultra elevado, com pelo menos 50 milhões de francos suíços (US$ 55 milhões) em ativos sob gestão. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
CREDIT SUISSEPRIVATE BANKING

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.