Crédito ao consumidor tem queda recorde nos Estados Unidos

Recursos caem US$ 11,1 bilhões em março, quase três vezes mais do que o esperado pelo mercado americano

Regina Cardeal, da Agência Estado,

07 de maio de 2009 | 16h19

O crédito ao consumidor norte-americano em março caiu US$ 11,1 bilhões, para um total de US$ 2,551 trilhões. Foi a maior queda em dólares desde que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) começou a monitorar o dado em 1943. Em porcentual, a queda de 5,2% foi a maior desde dezembro de 1990. Em fevereiro, a queda no crédito ao consumidor foi de US$ 8,1 bilhões, segundo o dado revisado, que havia sido originalmente projetado em declínio de US$ 7,5 bilhões.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

A queda do crédito em março foi quase três vezes superior à esperada pelo mercado. Wall Street previa recuo de US$ 3,5 bilhões no crédito ao consumidor em março. O crédito rotativo, que reflete sobretudo o financiamento de cartão de crédito, caiu US$ 5,4 bilhões em março para US$ 945,9 bilhões, ante queda de US$ 9,7 bilhões em fevereiro. O crédito não rotativo, como financiamento de veículos e barcos, caiu US$ 5,7 bilhões. Isso se seguiu a um aumento de US$ 1,6 bilhão em fevereiro.

 

Os dados de crédito ao consumidor são voláteis, excluem hipotecas e outros financiamentos imobiliários e são submetidos a revisões frequentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.