Crédito cresce 1,4% em outubro e inadimplência fica estável

Taxa de inadimplência se manteve pelo quarto mês seguido em 5,9%; total de operações de crédito registrou expansão de 16,6% nos últimos 12 meses, segundo o Banco Central

Célia Froufe e Eduardo Cucolo, da Agência Estado,

29 de novembro de 2012 | 10h58

BRASÍLIA - O estoque das operações de crédito do sistema financeiro subiu 1,4% em outubro ante setembro, para R$ 2,269 trilhões. No trimestre, a carteira cresceu 3,9% e, no ano, até outubro a alta é de 11,8%. Em 12 meses até o mês passado, o total de operações de crédito registrou expansão de 16,6%.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Banco Central. 

Segundo o BC, o crédito para pessoas físicas cresceu 1,6% em outubro e 14,0% no ano até o mês passado. Em 12 meses, acumula alta de 17,3%. Para as empresas, o avanço foi de 1,2% no mês, 9,9% no ano e 15,9% em 12 meses.

O BC informou ainda que o total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) subiu para 51,9% em outubro ante 51,5% em setembro.

Inadimplência

A taxa de inadimplência média do crédito livre se manteve pelo quarto mês consecutivo em 5,9% em outubro. A inadimplência da pessoa física também ficou estável pelo quarto mês, em 7,9%. Para as empresas, o indicador subiu de 4,0% em setembro para 4,1% em outubro.

A inadimplência no crédito pessoal subiu de 6,0% em setembro para 6,2% em outubro. No cheque especial e nos financiamentos de veículos a inadimplência recuou 0,1 ponto porcentual no mês, para, respectivamente, 12,1% e 5,9%.

Já a inadimplência nos financiamentos para aquisição de outros bens caiu 0,5 ponto porcentual ante setembro, para 12,9% em outubro.

Spread

O spread bancário médio do crédito livre recuou de 22,3 pontos porcentuais em setembro para 22,0 em outubro. Esta é oitava vez consecutiva que o spread recuou no Brasil. No ano até outubro, a queda já é de 4,9 pontos percentuais e nos últimos 12 meses encerrados no mês passado, a redução é de 6,9 pontos percentuais.

O spread médio da pessoa física registrou uma leve redução no período ao passar de 27,9 pontos porcentuais em setembro para 27,8 no mês passado. Em 12 meses, encerrados em outubro, a queda está em 8,8 pontos percentuais e, no acumulado do ano até o mes passado, em 5,9.

Já o spread para pessoa jurídica recuou um pouco mais no período, passando de 15,3 pontos percentuais para 15,0. Em 12 meses e no acumulado do ano até outubro, porém, a queda é menor: de 4 pontos percentuais e de 2,9, respectivamente.

O Banco Central informou ainda que em outubro, a taxa geral de captação dos bancos nas operações de crédito livre caiu de 7,6 pontos porcentuais, patamar em que se encontrava em agosto e setembro, para 7,3.

Veículos

O estoque de operações de crédito para a compra de veículos por pessoa física caiu 0,6% de setembro para outubro. Com isso, o total de recursos para a aquisição de automóveis está em R$ 202,327 bilhões.

No acumulado do ano, ainda é verificada uma expansão do crédito para esse fim de 0,7%. Em 12 meses até outubro, a alta é de 1,6%. O BC tem revelado que esse estoque está se reduzindo nos últimos meses.

As operações de leasing voltaram a registrar forte queda de setembro para outubro (-4,2%), com destaque para o recuo para pessoas físicas. No ano até outubro, a queda das operações desse tipo de transação já é de 30% e, em 12 meses, de 36,2%.

Os financiamentos realizados por meio de crédito direto ao consumidor ficaram estáveis em outubro na comparação com setembro. No ano até o mês passado, ainda apresentam alta de 7,6%, assim como em 12 meses, que é de 10,5%.

Habitação

As operações de financiamento para habitação cresceram 2,7% em outubro ante setembro, totalizando R$ 263,213 bilhões. Na comparação com outubro do ano passado, a alta é de 38,8%.

No crédito direcionado para habitação, a expansão foi de 2,7% em outubro ante setembro e de 37,8% na comparação anual, totalizando R$ 244,073 bilhões.

Já no crédito livre para aquisição de imóvel, o crescimento foi de 2,1% ante setembro e de 52,7% ante outubro de 2011, para R$ 19,140 bilhões.

Base monetária

A base monetária encerrou o mês de outubro com expansão de 0,2% na comparação com setembro, pelo conceito da média diária de dias úteis. A base alcançou R$ 206,025 bilhões na média diária no mês passado.

Por esse conceito, o valor apresenta crescimento de 11,1% nos 12 meses encerrados em outubro. A base monetária é a soma do total de papel moeda emitido com reservas bancárias registradas pelas instituições financeiras.

Pelo conceito de saldo no final do período, a base monetária teve expansão de 1,3% em outubro ante setembro e alcançou R$ 204,757 bilhões. Em 12 meses, a base monetária apresenta aumento de 8,9% ao final do período.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.