Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Credores da Saraiva aprovam plano de recuperação judicial com troca de comando

Rede concordou em tirar Jorge Saraiva Neto da presidência e em formar novo conselho; editora que continuar a fornecer livro receberá 60% dos créditos

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2019 | 15h39

A rede de livrarias Saraiva fechou acordo com seus credores no âmbito de sua recuperação judicial, em assembleia realizada nesta quinta-feira, 29. A empresa, que tinha dívidas de R$ 674 milhões em novembro de 2018, quando solicitou a proteção da Justiça para renegociar seus débitos, concordou com a pressão das editoras para mudar sua gestão. Assim, conseguiu fechar a questão depois de vários adiamentos.

O mercado de livrarias sofreu dois baques seguidos no ano passado, quando duas das principais forças deste mercado – a Cultura e a Saraiva – pediram recuperação judicial. A Saraiva, que hoje tem menos de 80 lojas (no passado, chegou a ter mais de 110), é a empresa líder do setor. A Cultura conseguiu aprovar o plano de recuperação mais rapidamente, em abril. 

Para garantir o fluxo de novos livros, a Saraiva vai reduzir em 40% os valores das dívidas com as editoras – desde que essas empresas continuem a fornecer produtos mediante crédito. Os 60% dos débitos serão pagos, nesse caso, em até 15 anos. Para os credores quirografários, que não têm garantia real (que inclui as editoras), o desconto aplicado será de 95%, com 15 anos para receber os 5%. 

A empresa também concordou em mudar o comando da empresa, hoje nas mãos de Jorge Saraiva Neto. Agora, será formado um novo conselho de administração, com cinco membros, sendo dois da família que dá nome à rede de livrarias. As partes também concordaram que vão buscar um executivo de mercado para comandar a companhia.

Dificuldades em várias frentes

Apesar de a venda de livros ter apresentado uma pequena alta em 2018 - de cerca de 5% em valores, segundo o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) -, a Saraiva lembrou, em seu pedido de recuperação judicial, que o preço do produto tem subido bem menos do que a inflação. Segundo a companhia, enquanto o IPCA - índice oficial de inflação - subiu 53,8% de 2000 a 2017, o valor unitário do livro avançou 8%, na mesma comparação.

As dificuldades da companhia não estão, no entanto, restritas ao varejo de livros. A Saraiva também saiu de categorias em que a rentabilidade é mais baixa - como a venda de produtos de tecnologia, na qual precisa bater de frente com pesos pesados como a Via Varejo (dona de marcas como Casas Bahia e Ponto Frio) e FastShop.

A entrada no segmento foi decidida há alguns anos, como uma tentativa de "proteção" à perspectiva de queda nas vendas de livros. No ano passado, a companhia encerrou as atividades de 19 pontos de venda, sendo oito lojas tradicionais e 8 unidades iTown, que vendiam produtos de tecnologia da marca Apple. Neste processo, cortou 700 funcionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.