Crescimento do G-20 ganha força no 3º trimestre, diz OCDE

No Brasil, houve aceleração do crescimento, em alta de 0,6%, afirmou a OCDE

Sergio Caldas, da Agência Estado,

13 de dezembro de 2012 | 09h59

PARIS - O crescimento do grupo das 20 maiores economia do mundo, conhecido como G-20, ganhou força no terceiro trimestre, mas houve uma grande disparidade de desempenho entre os países, segundo dados preliminares divulgados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). No Brasil, houve aceleração do crescimento.

A entidade, com sede em Paris, disse hoje que o Produto Interno Bruto (PIB) do G-20 cresceu 0,6% no terceiro trimestre, mostrando uma ligeira aceleração em relação à alta de 0,5% verificada no segundo trimestre.

A OCDE, no entanto, afirmou que houve "padrões divergentes" entre seus membros, com crescimento maior no Brasil, EUA, China e França, e desaceleração na Alemanha, África do Sul, Turquia, Austrália, Canadá, Indonésia e México. O PIB brasileiro subiu 0,6% no terceiro trimestre, após expandir 0,2% no trimestre anterior.

No Japão, a economia teve contração no terceiro trimestre, após ficar estagnada nos três meses anteriores. Já na Itália, o ritmo de queda do PIB diminuiu.

Dados antecedentes publicados pela OCDE na última segunda-feira sugerem que a divergência vai continuar nos próximos meses, com sinais de aceleração nos EUA e China, desaceleração no Canadá e Rússia, e mais contração na zona do euro e Japão.

A China teve o melhor desempenho no terceiro trimestre, com expansão de 2,2% ante o trimestre anterior. Entre os países desenvolvidos do G-20, o Reino Unido teve o melhor desempenho, com aumento do PIB de 1,0%.

Por outro lado, as economias do Japão e da Itália recuaram 0,9% e 0,2%, respectivamente, ante o segundo trimestre. Na comparação anual, a economia italiana apresentou de longe a pior performance entre os países do G-20 no terceiro trimestre, com uma retração de 2,4%. O Reino Unido foi o único outro país a registrar contração ante um ano antes, de 0,1%. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.