Criação de empresa acelera alcoolduto da Petrobras, diz Costa

A Petrobras deu o primeiro passoobjetivo no caminho da construção de um alcoolduto de milquilômetros de extensão ao aprovar a criação de uma empresapara executar o projeto. A obra vai ligar zonas produtoras a umterminal para exportação do etanol. De acordo com o diretor de Abastecimento da estatal, PauloRoberto Costa, em oito meses a empresa formada em parceria comCamargo Corrêa e a japonesa Mitsui vai elaborar os projetosconceitual e básico. Se aprovados, a construção de 1 bilhão de dólares seráiniciada imediatamente e terá capacidade para transportar 12bilhões de litros de etanol por ano. "Antes do final do ano a gente já vai estar com tudo prontoe vai tomar a decisão de construção, agora vai andar maisrápido", informou Costa à Reuters nesta quarta-feira. Para o executivo, a etapa mais importante do processo foi acriação da empresa, que permite agilizar o processo e estáaberta à entrada de mais sócios. Em um primeiro momento, a novaempresa será dividida igualmente entre as três participantes. "Temos feito vários contatos com cooperativas, usineiros,teremos espaço para entrada de produtores no duto, quem tiverinteresse em investir poderá ser sócio", explicou Costa. A construção do alcoolduto está ligada ao projeto daPetrobras de se tornar produtora de etanol visando exportação.A empresa avalia projetos de produção junto a usineirosbrasileiros ao mesmo tempo em que atua no Japão para garantir avenda do combustível. A Petrobras depende no entanto da criação de um mercado delarga escala do álcool no Japão --que hoje consome o produtonos setores farmacêutico e alimentício-- para começar aproduzir no Brasil. Além do uso nos carros, como no Brasil, aexpectativa é de que termelétricas japonesas funcionem com obiocombustível. "Devemos ter uma notícia boa em abril, quando o partido queapóia o governo (do Japão) vai levar uma proposta para zerar astarifas de importação de etanol", antecipou Costa. "Esse anoserá um ano de boas notícias na área de etanol". O alcoolduto que está sendo estudado ligará Senador Canedo,em Goiás, a Paulínia, em São Paulo, e inclui ainda um segundotrecho que interligará a Hidrovia Tietê-Paraná ao Terminal dePaulínia. O empreendimento passará por Uberaba, em MinasGerais, Ribeirão Preto, Paulínia e Guararema, em São Paulo. Segundo nota da Petrobras enviada na noite de terça-feira,do Terminal de Guararema o duto segue para o Terminal de SãoSebastião, no Litoral Norte de São Paulo e para o Terminal daIlha dÁgua, no Rio de Janeiro, através do poliduto OSRIO, jáexistente, que passará a ser exclusivo para etanol.

DENISE LUNA, REUTERS

20 de fevereiro de 2008 | 11h20

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAALCOOLDUTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.