Crise financeira coloca Dow abaixo de 11.000 pontos

O índice Dow Jones fechou abaixo de11 mil pontos pela primeira vez em dois anos nesta terça-feira,afetado pelas dúvidas sobre o plano dos Estados Unidos parasocorrer as agências de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac etambém pela queda do petróleo, que afetou as ações do setor deenergia. O Dow, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,84 porcento, para 10.962 pontos. O índice Standard & Poor's 500 tevedesvalorização de 1,09 por cento, para 1.214 pontos. Já otermômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,13 por cento, para2.215 pontos. As ações da Fannie e da Freddie caíram mais de 25 por centocom o medo de que o plano do governo para estabilizar asempresas acabe diluindo o valor dos papéis das companhias. Osecretário do Tesouro, Henry Paulson, disse que o plano foiconcebido para ser um ponto de suporte. Todo o setor bancário fechou em queda em meio ao temor dosinvestidores de que a atual crise de crédito provoque maisquebras de bancos. Na semana passada, órgãos reguladores dosEstados Unidos assumiram o controle da IndyMac. O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse que osistema bancário está bem capitalizado, ainda que continuem sob"estresse considerável." "A fraqueza esteve concentrada no setor financeiro, eparece que, mesmo com a fala do Bernanke e do Paulson, oceticismo continua em todas essas questões de crédito", disseAlan Gayle, estrategista sênior de investimento da TruscoCapital Management, em Atlanta. Apesar do tombo do setor bancário, as ações do LehmanBrothers saltaram mais de 6 por cento após uma reportagemafirmar que o banco de investimento estuda maneiras de fechar ocapital. Entre as ações de energia, a Exxon Mobil caiu 3,8 porcento, acompanhando a queda dos preços do petróleo. O índice Nasdaq subiu com a aposta dos investidores de quea Microsoft vai diminuir, na divulgação de resultados previstapara essa semana, a precupação do mercado com o crescimento deseu programa Windows. As ações da empresa subiram 4 por cento. (Reportagem adicional de Jennifer Ablan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.