CSN eleva preços de laminados em até 13,5% a partir do dia 18

A Companhia Siderúrgica Nacional(CSN) vai aumentar os preços de todos os seus produtos de aço,a partir do dia 18 deste mês, para recompor custos crescentescom matérias-primas em meio a um ambiente de demanda aquecida. A companhia aumentará o preço de laminados a quente em 13,5por cento, laminados a frio em 8,5 por cento, laminadoszincados em 3,5 por cento e folhas metálicas em 6 por cento.Além disso, entre maio e junho a empresa deve implantar aumentode 8,5 por cento no valor que cobra por bobinas a quente. As ações da companhia operavam em alta de 2,6 por cento noinício da tarde, enquanto o Ibovespa exibia valorização de 1,77por cento. "O mercado está firme em todos os segmentos (...) osreajustes valem para todos os produtos e mercados", disse odiretor comercial da CSN, Luis Fernando Martinez, emteleconferência com jornalistas promovida um dia depois de aempresa ter divulgado lucro líquido de 2,9 bilhões de reais em2007 ante 1,2 bilhão de reais em 2007. Quando perguntado sobre se haverá mais espaço para outrosreajustes no restante do ano, Martinez respondeu que a empresaestá "acompanhando o mercado". Para 2008, a CSN prevê vendas de aço entre 5,3 milhões e5,4 milhões de toneladas, ante 5,38 milhões de toneladas em2007. O diretor financeiro da CSN, Otávio Lazcano, afirmou que oconselho de administração da companhia já autorizou aumento decapacidade de produção de até 9 milhões de toneladas por anoque seriam alocadas em duas novas unidades em Minas Gerais e noRio de Janeiro e que está negociando obtenção de licenças eacordos para a instalação das plantas. "Nesse momento não estou preparado para fazer esse anúncio,mas a empresa vai investir sim montantes relevantes em açosplanos", disse Lazcano. "Vamos sim produzir chapas grossas,trilhos e volumes adicionais de aços longos", acrescentou,evitando dar cronogramas para o início da produção das novascapacidades. A eventual oferta pública de ações da mina de minério deferro Casa de Pedra ainda está sob avaliação. "A gente vemestudando com muito cuidado, eventualmente alguma transação,não necessariamente pública, poderá ser realizada", disseLazcano. Em novembro, Lazcano havia informado que os estudos estavamem fase adiantada e que num futuro próximo eles seriamsubmetidos ao conselho de administração da empresa. (Reportagem de Alberto Alerigi Jr.)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.