Christina Rufatto/ Estadão
Christina Rufatto/ Estadão

CSN vai investir US$ 3 bilhões no exterior nos próximos 3 anos

Siderúrgica prevê que 2022 será um ano ainda melhor para os negócios, apesar de não esperar um "crescimento explosivo como em 2021"

Wagner Gomes, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2021 | 14h13

O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, disse, nesta quarta-feira (8), que a empresa não vai deixar o mercado interno de lado, mas fará um investimento agressivo no exterior nos próximos anos. Durante o CSN Day, ele informou que serão investidos no mercado externo US$ 3 bilhões nos próximos 3 anos em aquisição e, eventualmente, em projetos, como novas instalações e melhorias de instalações já existentes.

"Não vamos abrir não do mercado interno, mas vamos dedicar US$ 3 bilhões de investimentos nos próximos 3 anos a nível de aquisição e, eventualmente, projetos greenfield (instalações novas) e brownfield (projetos sobre algo já em uso) no exterior", disse a analistas e investidores. Ao falar sobre melhorias, ele se referiu a Alemanha, onde a companhia pretende dobrar o tamanho da planta, assim como em Portugal.

Nos Estados Unidos, a CSN tem um projeto de novas instalações que deve ser lançado em março, segundo Steinbruch. Neste caso, segundo o executivo, será um primeiro movimento da empresa dentro da expectativa de complementação e convergência com a produção brasileira.

"Isso é uma necessidade em função do tamanho e uma prioridade em função do momento. Não deixaremos as oportunidades no Brasil, mas dedicaremos esforço maior no exterior. Vamos alocar gente no exterior para trabalhar fortemente na expansão em busca dos US$ 3 bilhões de ativos novos lá fora", comentou.

Steinbruch reafirmou durante a sua apresentação que 2021 foi um ano de excelência para a empresa como um todo. Ao dar início ao CSN Day, nesta manhã, ele comentou que foram 3 anos em 1, além da expectativa da própria companhia de crescimento. E adiantou que 2022 será uma ano ainda melhor, apesar de não ser esperado um crescimento "explosivo como em 2021". Steinbruch citou avanços tecnológicos nas minas e disse que quem não se preparou para o crescer em mineração estará fora do jogo em dois ou três anos.

Um pouco mais cedo, a CSN divulgou as suas projeções financeiras e operacionais. A siderúrgica espera atingir alavancagem, medida pelo indicador dívida liquida/Ebitda ajustado, abaixo de 1 vez no fechamento do balanço anual de 2021. A empresa projeta ainda manter esse mesmo indicador abaixo de uma vez no fechamento do balanço anual de 2022.

A CSN manteve a projeção de dívida líquida de aproximadamente R$ 15 bilhões no fechamento do balanço anual de 2021. A projeção da CSN é alcançar um volume de produção e compras de minérios de terceiros de 36 a 37 milhões de toneladas em 2021 e de 39 a 41 milhões de toneladas em 2022.

O ano de 2021 foi marcado pelo IPO da empresa, que anunciou o uso do montante bilionário levantado na abertura do capital para a redução de dívidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.