CTNBio aprova duas variedades de milho e uma de algodão transgênicos

Comissão liberou produtos desenvolvidos pela Monsanto, Dow AgroSciences e Bayer

Camila Moreira, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2010 | 14h54

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou na quinta-feira, 16, a liberação comercial de mais duas variedades transgênicas de milho e outra de algodão.

A CTNBio deu luz verde para um milho geneticamente modificado desenvolvido pela Monsanto e conhecido como MON 88017, que combina a característica de tolerância ao herbicida glifosato com a proteção contra praga de raiz.

"Essa é a primeira tecnologia da empresa para o controle de praga de raiz aprovada no Brasil", disse a Monsanto em nota.

A outra semente de milho liberada pelo órgão foi desenvolvido pela Monsanto em parceria com a Dow AgroSciences, e combina resistência a insetos com tolerância ao glifosato e ao glufosinato de amônio.

"Este milho combina, via melhoramento genético clássico, três eventos geneticamente modificados individualmente aprovados previamente pela CTNBio", completa a nota. Não há previsão para o lançamento desses produtos no mercado.

A CTNBio aprovou ainda o plantio comercial do algodão GHB614, desenvolvido pela Bayer, e com tolerância ao herbicida glifosato. A empresa espera ter esta tecnologia disponível no mercado por volta de 2012.

"A tecnologia GlyTol foi desenvolvida pela Bayer CropScience para auxiliar o produtor a controlar melhor as plantas daninhas em lavouras de algodão. O Algodão GlyTol é uma linhagem geneticamente modificada, que permite o uso seletivo de herbicida à base de glifosato para o controle das plantas invasoras, que comprometem a qualidade de pluma e produtividade da lavoura", disse a Bayer em comunicado.

Com essas aprovações, chegam a 27 o número de sementes transgênicas aprovadas pela CTNBio para plantio no Brasil. Dessas, 15 são de milho, cinco de soja e o restante é de algodão.

Tudo o que sabemos sobre:
CTNBiotransgênicosmilhoalgodão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.