Cuba libera ‘esporte burguês’ para receber investimento em golfe

Grupo britânico vai investir US$ 350 milhões em complexo turístico na cidade de Varadero

Economia & Negócios,

21 de maio de 2013 | 16h57

SÃO PAULO - Cinco décadas depois que Fidel Castro ordenou o fechamento dos campos de golfe de Cuba por considerar o esporte "burguês e elitista", o governo comunista da ilha aprovou a construção de um campo de golfe de luxo na praia de Varadero.

O investimento de US$ 350 milhões no Carbonera Clube foi proposto pela empresa britânica Esencia, segundo informou a BBC de Londres. O campo deverá ser o primeiro de uma série de iniciativas semelhantes em estudo.

O movimento é um sinal da mudança no regime cubano, que busca novas fontes de receita para financiar sua revolução socialista. "Vai ser um grande complemento à oferta turística de Varadero e o início de uma nova política para aumentar a presença de golfe em Cuba", disse à BBC o ministro do Turismo Manuel Marrero.

Andrew McDonald, CEO do grupo Esencia, confirmou um acordo formal para uma associação de capital entre a empresa e o governo cubano. "Estamos trabalhando nisso há sete anos, por isso estamos muito entusiasmados que finalmente vai acontecer", disse o executivo.

Além do campo de golfe, os planos incluem a construção de um condomínio fechado com 650 apartamentos e um hotel com clube de campo com spa e iate clube. Um segundo projeto de golfe, com investimento chinês, está previsto para ser aprovado até o final deste ano. Outros resorts então em projeto para serem lançados em toda a ilha, com financiamento espanhol, vietnamita e russo.

"Os jogadores de golfe são conhecidos por viajar para novos lugares, é uma indústria de bilhões de dólares", diz McDonald. Agora as autoridades cubanas estão interessadas em vender o golfe como um "esporte democrático", beneficiando todos os cubanos.

Tudo o que sabemos sobre:
CubaFidelChe GuevaraGolfeturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.