Custo da indústria automotiva no Brasil é 60% maior que na China

Anfavea apresentou nesta terça um estudo de competitividade e política industrial para o setor

Silvana Mautone, da Agência Estado,

29 de junho de 2011 | 15h11

Os custos da cadeia automotiva no Brasil chegam a ser 60% maiores do que em outros países. "Em comparação com a China, o custo no Brasil é 60% maior", afirmou nesta quarta-feira, 29, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, que apresentou um estudo de competitividade e política industrial para o setor automotivo, realizado pela PricewaterhouseCoopers a pedido da Anfavea.

Se na China um custo hipotético na indústria automotiva é de US$ 100, por exemplo, no Brasil é US$ 160, no México é US$ 120 e na Índia, de US$ 105 (considerando produtos equivalentes).

Os altos custos de capital e de mão-de-obra estão entre os principais fatores que prejudicam a competitividade da indústria automotiva brasileira em relação a outros países. De acordo com o estudo, a mão-de-obra no setor no Brasil, incluindo encargos, custa 5,3 euros por hora, enquanto no México é de 2,6 euros por hora, na China, 1,3 euro por hora, e na Índia, de 1,2 euro por hora. A taxa básica de juros real (descontada a inflação) é de 5,5% no Brasil, 1,1% no México e 1,0% na China, sendo que em países como Japão, Coreia, EUA, Índia, Estados Unidos e na própria Europa essa taxa é negativa.

"Além disso, somos afetados por externalidades, como o câmbio", afirma Belini. "Enquanto o dólar se desvalorizou frente ao real, na comparação com a moeda mexicana e a coreana o dólar se valorizou, o que beneficia a exportação de automóveis desses países", diz.

De acordo com o levantamento, elaborado pela PricewaterhouseCoopers e apresentado pela Anfavea ao governo há cerca de 15 dias, os custos totais da cadeia automotiva no Brasil chegam a ser 60% maiores do que em outros países. Se na China um custo hipotético na indústria automotiva é de US$ 100, por exemplo, no Brasil é US$ 160, no México é US$ 120 e na Índia, US$ 105 (considerando produtos equivalentes).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.