Divulgação
Divulgação

CVC vai comprar a Submarino Viagens por até R$ 80 milhões

Objetivo do negócio, que depende da aprovação do Cade, é fortalecer a presença da agência de viagens na internet

Beth Moreira, O Estado de S. Paulo

27 Maio 2015 | 07h38

A agência de viagens CVC firmou um contrato para a compra de 100% do capital social da B2W Viagens e Turismo, empresa responsável pela Submarino Viagens, que vende pacotes de turismo pela internet. O objetivo do negócio, que está limitado a R$ 80 milhões, é fortalecer a presença online da empresa e obter ganhos de escala. 

Segundo o comunicado ao mercado, a CVC assinou nesta terça-feira, 26, um contrato de compra e venda de quotas, o qual resultará na aquisição da companhia. Mas isso ainda depende de uma auditoria confirmatória e da verificação de determinadas condições. O negócio também depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O preço de aquisição, de acordo com a CVC, está sujeito a eventuais ajustes relacionados às Demonstrações Financeiras (incluindo premissa de endividamento zero). 

Público jovem. Focada nas famílias, a CVC busca se aproximar de um público mais jovem - e que é extremamente ligado à web. A empresa percebeu que, entre 2011 e 2014, as vendas a clientes de 18 a 25 anos subiram 272% - o mais expressivo avanço entre as faixas etárias. A partir deste diagnóstico, a companhia decidiu começar a rejuvenescer a própria imagem.

Além de colocar uma nova campanha publicitária no ar em abril - que será veiculada até junho -, a empresa de turismo também espalhará novos materiais de venda em suas 915 lojas.

Ao contrário do público idoso e das famílias, que buscam viagens mais estruturadas, o jovem de 18 a 25 anos toma decisões mais impulsivas e exige mais liberdade na hora de montar o roteiro de viagem. Recentemente, a CVC também iniciou uma operação de intercâmbio, voltada principalmente a este público.

(Com informações de Fernando Scheller, de O Estado de S. Paulo)


Mais conteúdo sobre:
NegóciosCVCviagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.