CVM fecha acordo com Deloitte no caso Aracruz

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) fechou hoje termo de compromisso (acordo) no valor de R$ 1 milhão com a firma de auditoria Deloitte e com José Carlos Monteiro, acusado na qualidade de sócio, no caso de derivativos da Aracruz.

SABRINA VALLE, Agencia Estado

31 de outubro de 2011 | 18h57

Os dois eram responsáveis pela emissão do relatório de revisão especial sobre as Informações Trimestrais de 30 de junho de 2008 da Aracruz. A Deloitte e o sócio responsável foram acusados pela CVM de omissão, nas notas explicativas do relatório, dos riscos a que as operações com instrumentos financeiros derivativos (denominados Sell Target Forward) representavam para a companhia e que resultaram numa perda bilionária para a empresa.

Após pagarem a quantia acertada, o processo será extinto sem presunção de culpa. A Deloitte e Monteiro já haviam apresentado anteriormente proposta para encerrar o processo, mas tiveram o acordo negado. Eles haviam oferecido R$ 300 mil e R$ 150 mil, respectivamente.

A Aracruz foi, junto com a Sadia, uma das empresas mais afetadas por arriscadas operações com derivativos que botaram as companhias em risco durante a crise internacional de 2008, quando o dólar subiu fortemente frente ao real.

Tudo o que sabemos sobre:
CVMAracruzDeloitte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.