BETO BARATA/ESTADÃO
BETO BARATA/ESTADÃO

Decisão de transformar Postal em nova instituição financeira é adiada para 2016

O Banco Postal é uma das apostas do Banco do Brasil para elevar os ganhos com tarifas, mas 'cenário mais desafiador' adiou os planos

ALINE BRONZATI, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2015 | 12h53

SÃO PAULO - O Banco do Brasil decidiu adiar o pedido para transformar o Postal, dos Correios e do Banco do Brasil, em uma instituição financeira de fato por causa do cenário mais desafiador, segundo Alexandre Abreu, presidente da instituição. "O pedido para uma nova instituição financeira foi postergado para 2016, mas seguimos com a nova oferta de produtos", resumiu ele, em coletiva de imprensa, na manhã desta quinta, 13.

O Banco Postal é uma das apostas do Banco do Brasil para elevar seus ganhos com tarifas. Em fevereiro do ano passado, ambos firmaram um novo contrato para ampliar o leque de produtos nas unidades do Postal.

O BB passou a operar o Banco Postal após vencer o Bradesco em um leilão dos Correios, no qual ofereceu um lance de R$ 2,3 bilhões. Com isso, tornou-se operador dos serviços bancários nas cerca de 6,3 mil agências dos Correios no País. Ao transformar o Postal em uma instituição financeira, o leque de produtos ofertados deve crescer, incluindo a venda de seguros, cartões, crédito e aplicações. A gestão será compartilhada entre o BB e os Correios.

Tudo o que sabemos sobre:
economiaBanco do BrasilCorreiosPostal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.