Estadão
Estadão

Dedini demite e fecha unidade no interior de SP

Empresa, que já foi a maior fabricante de equipamentos para usinas de açúcar e etanol do País, dispensou 100 funcionários e fechou as portas em Sertãozinho

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2016 | 20h16

RIBEIRÃO PRETO - A Dedini demitiu nesta sexta-feira, 2, os 100 funcionários que ainda trabalhavam na unidade de Sertãozinho (SP) da companhia e fechou as portas da fábrica que chegou a ter 3 mil metalúrgicos. 

A indústria de bens de capital está em recuperação judicial e, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do município do interior paulista, nenhuma justificativa foi dada para o encerramento das atividades e sequer houve formalização das demissões. 

A empresa, que tem sede em Piracicaba (SP), já foi a maior empresa de base do País para a produção completa de usinas de açúcar e etanol. Nenhum representante da Dedini foi localizado na noite de hoje. "Os responsáveis pela Dedini simplesmente chegaram e mandaram todos os funcionários embora, afirmando que a empresa estava fechando suas portas. Isso sem dar nenhuma satisfação, e muito menos respeitar a assembleia marcada pela justiça para o próximo dia 19 com os credores da recuperação judicial", informou Samuel Marqueti, presidente do sindicato, que irá recorrer ao Ministério Público e ao Ministério do Trabalho.

Marqueti informou ainda que uma assembleia será realizada na próxima sexta-feira, dia 9 de setembro, às 9 horas, em frente à unidade da Dedini. Antes, durante a próxima semana, haverá reuniões com os funcionários demitidos, segundo o sindicalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.