Delta busca usinas para ser agente comercializador

O Grupo Delta Energia busca aquisições ou a construção de destilarias para conseguir, junto à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o registro de agente para operar no comércio entre usinas e distribuidoras. A companhia, que inaugurou hoje em Ribeirão Preto (SP) o primeiro armazém de etanol independente no País, tem autorização apenas para exportar o álcool por meio da trading que opera.

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

23 de setembro de 2010 | 15h53

Pela regulamentação da ANP, o agente comercializador precisa ser sócio majoritário de ao menos duas produtoras de etanol e ainda ter um capital social mínimo de R$ 10 milhões. "Dentro desse modelo ainda não conseguimos nos adequar e a ideia é construir a destilaria ou mesmo fazer uma aquisição; não estamos interessados em parceiros", disse Eolo Oliveira Mauro Neto, gerente comercial do Grupo Delta para a área de etanol.

Nascido em 2000 para operar no mercado de energia elétrica, o Grupo Delta Energia iniciou a operação de trading de etanol em 2007 e, no ano passado, movimentou 35 milhões de litros do combustível. Até agora, em 2010, a companhia já exportou cerca de 60 milhões de litros e deve atingir 100 milhões de litros até o final do ano.

O complexo de 13 tanques inaugurado hoje em Ribeirão Preto terá, até o final deste ano, capacidade de estocar 61 milhões de litros de etanol. Os tanques pertenciam à antiga Usina Santa Lidia, que foi desativada, e foram reformados e readequados. Os investimentos não foram divulgados.

Além de fazer tancagem antes de o etanol ser exportado, o complexo receberá o combustível de usinas que alugarão os tanques da empresa. O primeiro cliente é o Grupo Tereos Internacional, que tem a Açúcar Guarani como ativo, que anunciou recentemente a entrada da Petrobras Biocombustíveis como acionista.

Segundo Mauro Neto, o sistema de tancagem do Grupo Delta deve receber etanol principalmente durante o período final da safra de cana-de-açúcar, como agora, de usinas já chegaram ao limite da capacidade de estocagem. "Durante a safra poderemos comprar etanol por preços mais baixos para podermos honrar contratos de exportação; com isso, minimizamos os custos de operação no Porto de Santos", explicou.

Para aproveitar ainda o mercado exportador norte-americano, o Grupo Delta deve inaugurar um escritório em Houston, no Texas, principalmente para operar vendas de etanol para a Europa. "Como o preço do etanol dos Estados Unidos exportado para a Europa está menor que o brasileiro, a estratégia é operar esse combustível por meio desse escritório", concluiu o executivo.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaetanolusinasGrupo DeltaANP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.