Delta descarta planos de elevar participação na Gol

O presidente mundial da Delta, Ed Bastian, disse a jornalistas nesta quinta-feira, 22, que a companhia não tem planos de aumentar sua participação no capital da Gol. "Nós temos boa participação, temos assento na mesa, pois participamos no conselho, participamos na administração", justificou.

LUCIANA COLLET, Agencia Estado

22 de agosto de 2013 | 18h39

A companhia comprou uma fatia da Gol após um aporte de US$ 100 milhões, em que adquiriu cerca de 3% de participação acionária na aérea brasileira, numa operação anunciada em 2011.

O executivo salientou que a Delta considera o Brasil um mercado importante, com potencial apenas inferior ao mercado chinês. Acrescentou que 28% dos passageiros da Delta, que vêm para o Brasil, seguem sua viagem pela malha da Gol. "Esse número é grande e dobrou nos últimos 12 meses, então pense no potencial e nas receitas que podemos criar juntos", disse.

O presidente da Gol, Paulo Sérgio Kakinoff, declarou que a parceria com a Delta representou 1 ponto porcentual de receita adicional no segundo trimestre, o que reflete apenas o início do codeshare. "Isso representa o potencial que temos com o codeshare", disse à imprensa.

Atualmente, o codeshare entre as empresas é limitado aos voos operados pela Delta, que chegam a Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, saindo de Detroit, Atlanta e Nova York.

Tudo o que sabemos sobre:
DeltaGol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.