DEM irá à Justiça para impedir mudança do nome do Campo de Tupi

Petrobrás anunciou na 4ª que trocará o nome da maior reserva brasileira de petróleo para 'Campo de Lula'

Denise Madueño, da Agência Estado,

30 de dezembro de 2010 | 17h47

O DEM prepara duas ações para tentar barrar na Justiça a troca de nome da maior reserva brasileira de petróleo de "Campo de Tupi" para "Campo de Lula", conforme anunciado na quarta-feira, 29, pela Petrobrás. O partido vai entrar com uma ação civil pública na Justiça Federal pedindo a anulação da mudança e uma representação na Procuradoria Geral da República argumentando improbidade administrativa, com base no artigo da Constituição que estabelece o princípio da impessoalidade da administração pública e veda a promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.

As ações deverão ser protocoladas na próxima semana a pedido do deputado Ronaldo Caiado (GO), da Executiva do partido. O deputado classificou a mudança de nome de ato de "puxa-saquismo" do presidente da Petrobrás, Sérgio Gabrielli. O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) foi além. Ele afirmou que batizar o campo de petróleo de Lula é um culto explícito à personalidade e revela uma prática de "ditadores e caudilhos". "É uma forma de tentar eternizar-se na memória do povo", afirmou Jungmann.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrásTupiLulanomeDEM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.