Demanda aquecida faz montadoras ampliarem metas do ano

O aquecimento do mercado brasileirode veículos gerado pelo bom momento da economia fez aassociação que representa as montadoras instaladas no paísampliar suas estimativas de desempenho para o ano, que jápreviam vendas e produção recordes. O novo patamar em que trabalha a Associação Nacional dosFabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) é de umcrescimento das vendas de 24,2 por cento sobre 2007, para 3,060milhões de unidades, contra estimativa anterior de vendas de2,895 milhões. Já em termos de produção, os novos dados daentidade apontam para expansão de 15 por cento, para 3,425milhões de veículos. Anteriormente, a expectativa era de altapara 3,235 milhões. "A economia brasileira já está se apresentando em um novopatamar de tamanho e a indústria automotiva apresenta essamesma lógica. A partir de maio do ano passado todos os nossosnúmeros começaram a indicar que entramos em um patamar novo demercado interno, (com vendas) acima das 220 mil unidades",disse o presidente da Anfavea, Jackson Schneider, ajornalistas. "Saímos de um patamar de mercado interno que se apresentouaté o final do primeiro semestre do ano passado de menos de 200mil veículos por mês e estamos em um patamar novo que deve seconsolidar a partir de agora em mais de 220 mil ou 230 milveículos por mês, apresentando um crescimento a partir de agorade uma maneira mais saudável, sem grandes saltos", acrescentouSchneider. "O fundamental é que esse crescimento tem se dado semdesabastecimento do mercado, com preço do veículo dentro de umpatamar adequado e investimentos importantes no sentido deaumentar a produção e atender a demanda", explicou. Ele citouque as montadoras têm 5 bilhões de dólares em investimentosanunciados este ano no país para aumentar a capacidadeprodutiva de 3,5 milhões para 3,85 milhões de veículos. Em termos de exportações, a expectativa da Anfavea é decrescimento em valor de 7,4 por cento, para 14,5 bilhões dedólares, mas de queda de 1 por cento em unidades, para 780 mil.Segundo Schneider, o quadro reflete momento em que asmontadoras estão vendendo no mercado externo veículos de maiorvalor. Segundo ele, a interrupção no movimento de queda nos jurose de alta da inflação não tem surtido efeito no desempenho dosetor ainda. "Por hora, não tem afetado o mercado a ponto deinterromper decisões de investimento. O mercado vai se acomodarnum crescimento mais paulatino, mais cadenciado." O presidente da Anfavea explicou que como a base decomparação com o segundo semestre de 2007 é forte, os próximosseis meses não apresentarão crescimentos tão elevados quanto oacumulado de janeiro a maio, período em que as vendas internasavançaram 30,3 por cento sobre os cinco primeiros meses do anoanterior, para 1,15 milhão de unidades. MAIO RECORDE As vendas de veículos novos e produção no mês passado foramrecordes para o mês, de acordo com os dados da Anfavea, mas odesempenho poderia ter sido ainda melhor não fossem doisferiados no mês. Em maio foram vendidos 242 mil veículos novos, queda de 7,4por cento sobre o recorde histórico registrado em abril, de261,2 mil unidades. Na comparação com maio do ano passado,houve crescimento de 14,6 por cento. A produção no mês passado deixou o recorde de mais de 300mil veículos de abril, fechando em queda de 3,5 por cento nessacomparação para 289,9 mil unidades. De janeiro a maio, aprodução somou 1,38 milhão de veículos, 21 por cento mais que oregistrado um ano antes. As vendas externas no mês passado somaram 1,11 bilhão dedólares, queda de 11,1 por cento sobre abril, e de 6,6 porcento na comparação com maio de 2007. De acordo com os números da Anfavea, a Fiat ocupa aprimeira posição no ranking de montadoras em termos de vendasde automóveis e comerciais leves, com 274.071 veículoscomercializados de janeiro a maio. Em segundo, aparece aVolkswagen, com 240.843 unidades, seguida de perto por GeneralMotors, com 235.318 e Ford, com 102.337. (Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.