Demanda global por petróleo cresce mais rápido do que o previsto

Segundo AIE, o mundo precisará mais do petróleo produzido pela Opep, ou há o risco de que os preços elevados prejudiquem a recuperação econômica

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

18 de janeiro de 2011 | 10h06

A Agência Internacional de Energia (AIE), que representa os maiores países consumidores de energia, afirmou mais uma vez que a demanda por petróleo está crescendo mais rápido do que o esperado e que o mundo precisará mais do petróleo produzido pela Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep), ou há o risco de que os preços elevados prejudiquem a recuperação econômica.

A AIE elevou sua perspectiva para a demanda para 2010 e 2011 em 320 mil barris por dia, em relação à estimativa divulgada no relatório de dezembro. A agência prevê agora que a demanda por petróleo em 2010 deverá subir em 2,7 milhões de barris por dia, em bases anuais, para 87,7 milhões de barris por dia. Em 2011, a demanda aumentará em 1,4 milhões de barris por dia, para 89,1 milhões de barris por dia.

A atualização da estimativa da AIE para a demanda foi provocada principalmente pelo crescimento econômico mais forte que o esperado das economias ricas da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e do frio nos EUA e na Europa, de acordo com o relatório mensal da agência.

A alta das projeções para a demanda intensificará a pressão para que a Opep amplie seu limite de produção. A organização elevou na segunda-feira sua previsão para a demanda por petróleo em 2011 em 200 mil barris por dia. A Opep resistiu até agora a expandir suas quotas de produção apesar da alta recente dos preços do petróleo para cerca de US$ 100 o barril, culpando a especulação do mercado, em parte, pelo aumento.

Visto que a demanda aumentou antes da oferta, os estoques de petróleo da OCDE registraram uma queda acentuada de 33,1 milhões de barris em dezembro, segundo dados preliminares. No entanto, os níveis globais permanecem confortáveis, proporcionando 58,7 dias de cobertura de abastecimento, disse a AIE.

Se essa tendência continuar e o petróleo ficar perto de US$ 100 por barril em 2011, o consumo global da commodity pode subir para 5% do Produto Interno Bruto (PIB), um nível associado a problemas econômicos no passado, ressaltou a agência.

China

A demanda da China por petróleo superou 10 milhões de barris por dia em novembro do ano passado pela primeira vez, informou a AIE. No entanto, o menor consumo de diesel provavelmente vai frear o crescimento do consumo geral neste ano, observou a agência.

"Dados preliminares da China mostram que o crescimento aparente da demanda por petróleo se acelerou para 15,1% no ano em novembro, com todas as categorias de produtos registrando fortes ganhos", disse a AIE. "A demanda total, então, atingiu novas máximas históricas de 10,2 milhões de barris por dia, superando pela primeira vez o limite simbólico de 10 milhões de barris por dia", acrescentou.

No entanto, boa parte da demanda foi formada pela substituição de combustível, em razão do uso em larga escala de geradores movidos a diesel depois que governos regionais fecharam usinas de energia a carvão e racionaram a eletricidade para atender a metas de economia de energia determinadas pelo governo central.

A demanda excepcionalmente alta por diesel provavelmente não vai prosseguir, disse a AIE, informando que o uso de diesel no período de outubro a dezembro na China pode ter aumentado em 200 mil barris por dia.

Em novembro, a China foi responsável por quase metade do crescimento da demanda por petróleo na Ásia, de 1,6 milhão de barris por dia, ou 8,3%, em comparação com o mesmo mês de 2009.

A AIE revisou sua previsão sobre a produção de petróleo da China em 2010 para 4,1 milhões de barris por dia, uma alta de 200 mil barris por dia em comparação com a previsão feita em julho. Em novembro a produção de petróleo chinesa subiu para 4,3 milhões de barris por dia, mesmo volume de produção que a AIE espera neste ano.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
petróleocombustívelAIEOpep

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.