Ricardo Rafael/Estadão
Ricardo Rafael/Estadão

Demanda por voos internacionais cresce 18,82% em julho, diz Abear

Oferta internacional mostrou alta semelhante no mês, de 18,01% na comparação anual

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2017 | 12h52

O segmento de aviação internacional operado por companhias aéreas brasileiras alcançou em julho recordes para o mês na série histórica dos indicadores de oferta, demanda, volume de passageiros e fator de aproveitamento. A demanda de passageiros por voos internacionais cresceu 18,82% em julho deste ano frente ao registrado no mesmo mês de 2016, conforme divulgado nesta segunda-feira pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).

Esse indicador é medido em passageiros-quilômetro pagos transportados (RPK, na sigla em inglês), com a multiplicação, por voo, do número de passageiros pagantes pela distância percorrida.

A oferta internacional mostrou alta semelhante no mês, de 18,01% na comparação anual. Com isso, a taxa de ocupação dos voos internacionais subiu 0,59 ponto porcentual (p.p.) na comparação com o mesmo mês de 2016, ficando em 86,17%.

Foram transportados 805 mil passageiros no segmento internacional em julho, um crescimento de 16,74% na mesma base de comparação, de acordo com a Abear.

Dentre as empresas nacionais que operaram voos ao exterior, a Latam liderou com 73,63% da participação de mercado. A Gol teve 11,76% e a Azul respondeu por 12,51%. A Avianca Brasil obteve uma fatia de 2,10% do mercado.

No acumulado dos sete primeiros meses do ano, a oferta internacional cresceu 8,81% em comparação com o mesmo período de 2016, enquanto a demanda internacional aumentou 12,82%. Assim, a taxa de ocupação no período ficou em 85,38%, uma melhora de 3,04 p.p. Diante dos sete primeiros meses do ano passado.

Já o volume de passageiros no semestre registrou expansão de 11,12% frente ao acumulado de janeiro a julho de 2016, com total de 4,8 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.