Descoberta da Petrobras reforça potencial no pré-sal

A descoberta pela Petrobras deuma grande reserva de gás e condensado na bacia de Santosconfirma, segundo analistas, o potencial da faixa ultraprofundaao longo da costa brasileira conhecida como pré-sal. As ações da estatal tiveram alta de 9,76 por cento nestaterça-feira, para 72,96 reais, beneficiando-se também de umarecuperação geral dos mercados depois das fortes quedas dasegunda-feira. A descoberta deve ajudar o país a obter auto-suficiência emgás natural daqui a alguns anos e garantir melhores condiçõesde negociar com a Bolívia os preços do produto, afirmou odiretor de exploração e produção da companhia, GuilhermeEstrella, a repórteres. No fim da segunda-feira, a Petrobras afirmou que, emconjunto com a Galp Energia, "comprovou a existência de umagrande jazida de gás natural e condensado no pré-sal da Baciade Santos", sem dar estimativas da reserva. A descoberta está na camada com a mesma estrutura geológicaonde a Petrobras anunciou em novembro reservas de petróleo leveestimadas entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris, no campo deTupi. "As perspectivas de exploração são excelentes. A novadescoberta de Júpiter, assim como Tupi, confirmam o altopotencial da área pré-sal. Praticamente, não temos riscos deexploração nessa área", afirmou Estrella. "A nova jazida é muito boa, tem muito gás. Isso vaicontribuir para que o Brasil se torne auto-suficiente em gás",disse ele, observando que ainda é muito cedo para estimar otamanho da reserva ou dizer se ela é comercialmente viável. Aárea que ela cobre é similar à de Tupi. Estrella não descartou a possibilidade de haver petróleoembaixo do gás e do condensado. "Essa descoberta é uma nova confirmação do potencialpré-sal e mostra que a atual política de investimentosextremamente pesados em estudos sísmicos, além de trazer novosplayers com nova tecnologia, funciona perfeitamente", disseFrançois Moreau, chefe da consultoria Estratégia e Valor, noRio de Janeiro. Ele afirmou que a descoberta também fornece sustentação àteoria de que o campo de Tupi pode ter um vizinho ainda maior.A Petrobras afirma que ainda não tem dados para provar isso, eque mais perfurações são necessárias. "Essa descoberta é uma nova confirmação do potencial nopré-sal e mostra que a atual política de investimentoextremamente pesado em estudos sísmicos e de trazer novosparceiros com nova tecnologia funciona perfeitamente", afirmouFrançois Moreau, chefe da consultoria Estratégia e Valor noRio. Ele disse que a descoberta também ajuda a sustentar ateoria de que o campo gigante de Tupi talvez tenha um vizinhoainda maior. A Petrobras afirmou que ainda não há informaçãopara provar isso, mas perfurações são necessárias. Ainda assim, analistas alertam que a descoberta não vairesolver o problema imediato de falta de gás natural do Brasil,mesmo que o governo provavelmente pressione a Petrobras eparceiros para desenvolverem o campo de gás com urgência. "Em teoria, isso é tudo positivo porque o Brasil dependeriamenos de importações, mas ainda não sabemos quais são asreservas, se são viáveis ou quando esse campo pode entrar emoperação, enquanto que o problema com a disponibilidade de gásé imediata", disse Sophie Aldebert, da Cambridge EnergyResearch Association. "O fato de eles terem feito esse anúncio permite presumirque o gás tem valor comercial, mas não temos os elementosnecessários para afirmar isso ainda", disse ela. (Por Andrei Khalip)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.