Desemprego acelera a 7,6%, mas taxa ainda é a menor para meses de março

Desemprego acelera a 7,6%, mas taxa ainda é a menor para meses de março

Taxa supera a de fevereiro, de 7,4%, mas fica em linha com as previsões

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

29 de abril de 2010 | 08h56

 A taxa de desemprego apurada pelo IBGE nas seis principais regiões metropolitanas do País em março, de 7,6%, é a menor para meses de março da série histórica iniciada em março de 2002, segundo observou o gerente da pesquisa mensal de emprego do instituto, Cimar Azeredo. Em março do ano passado, a taxa de desemprego havia atingido 9,0%.

 

Em fevereiro, a taxa de desocupação chegou a 7,4%. O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que iam de 7,2% a 7,8%, e ficou em linha com a mediana, de 7,6%.

 

Número de ocupados chega a 21,7 milhões 

 

O número de ocupados nas seis principais regiões metropolitanas do País somou 21,748 milhões em março, com aumento de 0,4% ante fevereiro e alta de 3,8% na comparação com março de 2009.

 

Foram geradas 796 mil vagas nas seis regiões em março, comparativamente a igual mês do ano passado.

 

O número de desocupados chegou a 1,788 milhão no mês, com aumento de 3,9% ante fevereiro, mas queda de 14,1% ante igual mês do ano passado.

 

 

 

A massa de rendimento real habitual dos trabalhadores das seis principais regiões metropolitanas do País somou R$ 31 bilhões em março, com alta de 0,6% ante fevereiro e aumento de 5,2% na comparação com março de 2009.

 

Já a massa de rendimento real efetivo somou R$ 30,7 bilhões em fevereiro - esse indicador sempre se refere ao mês anterior ao da pesquisa mensal de emprego divulgada -, com variação de 0,4% ante janeiro e aumento de 6,3% na comparação com fevereiro de 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
taxa de desempregoempregoIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.