Desemprego em 7 regiões metropolitanas cai para 10,1%

Recuo da taxa calculada pelo Dieese em outubro é o 1º após seis meses de relativa estabilidade

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

30 de novembro de 2011 | 09h23

SÃO PAULO - A taxa de desemprego nas sete regiões metropolitanas que fazem parte da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), realizada pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), apontou queda, ao variar de 10,6% em setembro para 10,1% em outubro. Este é o primeiro recuo após seis meses de relativa estabilidade.

A queda também foi observada na comparação anual, uma vez que, em outubro do ano passado, a taxa estava em 10,8%. O total de desempregados no conjunto das regiões sete regiões, em outubro, foi estimado em 2,240 milhões de pessoas, 122 mil a menos que no mês anterior. Foram geradas em outubro 66 mil ocupações. A pesquisa foi realizada nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Distrito Federal.

O rendimento médio real dos ocupados cresceu 1,0% em setembro ante agosto, passando para R$ 1.387. No mesmo período, a massa de rendimento dos ocupados registrou aumento de 1,9%. Na comparação com setembro de 2010, o rendimento médio real diminuiu 3,8% e a massa de rendimentos teve queda de 1,9%.

São Paulo

A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo manteve-se em queda pelo segundo mês consecutivo, passando de 10,6% em setembro para 9,9% em outubro. Em outubro do ano passado, a taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo estava em 10,9%.

No mês passado, o total de desempregados da região foi estimado em 1,066 milhão de pessoas, 78 mil a menos que em setembro, o que, segundo a pesquisa, resulta da geração de 56 mil ocupações. No período, a taxa de desemprego total caiu no município de São Paulo de 9,8% para 9,3%. Nos demais municípios da região metropolitana de São Paulo, a taxa caiu de 11,7% para 10,6%. Na região do Grande ABC, a taxa registrou o maior recuo, ao variar de 10,0% para 8,7%.

Após dez meses consecutivos de redução ou estabilidade, os rendimentos médios reais dos ocupados da região metropolitana de São Paulo registraram alta de 1,0% em setembro ante agosto, passando a equivaler a R$ 1.485. A massa de rendimentos dos ocupados cresceu 2,1% em setembro ante agosto. Já os rendimentos médios dos ocupados em setembro caíram 4,8% ante o observado em setembro do ano passado. A massa de rendimentos diminuiu 3,0% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Texto atualizado às 10h15

Tudo o que sabemos sobre:
DesempregoDieese

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.