Desemprego ficou estável em abril nas regiões metropolitanas do País

Em relação a março, índice medido em sete regiões metropolitanas do Brasil diminuiu 0,1%; na Grande São Paulo, desemprego passou de 11,3% para 11,2%

Francisco Carlos de Assis, da Agência Estado,

25 de maio de 2011 | 10h31

A taxa de desemprego total medida em sete regiões metropolitanas do País fechou o mês de abril praticamente estável em relação a março, ao passar de 11,2% para 11,1%. É o que mostra a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A taxa de desemprego aberto, que abrange pessoas que procuraram trabalho de maneira efetiva no período de 30 dias anteriores à pesquisa e não exerceram nenhum trabalho nos últimos sete dias desse prazo, subiu de 8,3% em março para 8,4% em abril. Já a taxa de desemprego oculto, composta por pessoas que realizaram algum trabalho remunerado eventual ou de auto-ocupação sem qualquer perspectiva de continuidade, ficou em 2,8%, mesma taxa registrada em março.

Já a taxa de participação, que é a proporção de pessoas com dez anos ou mais incorporadas ao mercado de trabalho como ocupadas ou desempregadas, sofreu uma ligeira alteração, passando de 59,5% para 59,6% em abril.

O nível de ocupação nas sete regiões metropolitanas pesquisadas variou 0,4%, subindo de 19,455 milhões em março para 19,532 milhões em abril.

O número de postos de trabalho gerados foi de 77 mil, semelhante ao número de pessoas que entraram na força de trabalho (75 mil), o que manteve o contingente de desempregados praticamente inalterado.

Os rendimentos médios reais dos ocupados nas sete regiões metropolitanas pesquisadas caíram 1,2% em março, passando para R$ 1.371.

Grande São Paulo

A taxa de desemprego total na região metropolitana de São Paulo também manteve praticamente estável na passagem de março para abril, passando de 11,3% para 11,2%. O resultado refletiu movimentos mínimos da taxa de desemprego aberto, que passou de 9% para 8,8%, e da taxa de desemprego oculto, que de março para abril passou de 2,3% para 2,4%.


O coordenador de Análise do Seade, Alexandre Loloian, afirmou que a taxa de desemprego total na região metropolitana de São Paulo registrada em abril é a menor para o mês desde 1991, quando atingiu 13,1%. Ele prevê que a taxa de desemprego continuará a cair nos próximos meses, mas não quis avaliar a possibilidade de o indicador baixar para a faixa de um dígito ainda neste ano.

Em abril, o total de desempregados na região metropolitana de São Paulo foi estimado em 1,197 milhão de pessoas, 5 mil a menos que no mês anterior. Foram gerados neste período 51 mil postos de trabalho, número semelhante ao do aumento da força de trabalho, que teve entrada de 46 mil pessoas. A taxa de participação passou de 62,6% para 62,8%.

Entre fevereiro e março, os rendimentos médios reais dos ocupados caíram 1% na região metropolitana de São Paulo, passando para R$ 1.490. Foi o quinto mês consecutivo de redução. Já a massa de rendimentos dos ocupados na região caiu 2,3% em março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.