Deve-se evitar julgamento precipitado da Chevron--IBP

O Brasil deveria evitar julgamentos precipitados da Chevron, disse nesta quarta-feira o presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), João Carlos de Luca, ao mencionar o vazamento registrado no campo de Frade, na bacia de Campos.

REUTERS

21 de março de 2012 | 13h47

Segundo Luca, a situação preocupa porque pode passar a impressão de que o país estaria atuando fora do que a legislação permite.

"Isso é o que temos de evitar... Vamos aplicar a legislação... não fazer muita especulação em cima de fatos que são complicados", disse o presidente da IBP, após evento de posse da nova diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo.

Ele acrescentou que as autoridades ainda estão tentando entender as causas deste segundo vazamento.

"Você não pode sair por aí fazendo julgamentos precipitados", afirmou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAIBPCHEVRON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.