Soraya Ursine/Estadão
Soraya Ursine/Estadão

Diário de Cannes Lions (1): criativos da Ucrânia falam da guerra e vencedores do Grand Prix

Conheça os seis vencedores de Grand Prêmios já anunciados em 2022; painel sobre Ucrânia teve participação em vídeo do presidente Volodmir Zelenski

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2022 | 16h00

CANNES – Um grupo de quatro profissionais da criatividade da Ucrânia subiu ao placo do Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade nesta segunda-feira, 20, com o objetivo de lembrar o mundo de que a guerra na Ucrânia continua e segue sendo um problema global. Desde o dia 24 de fevereiro, quando o Exército russo invadiu o país, a vida dos ucranianos mudou radicalmente. Além de serem alvo de ataques e de estarem com a vida constantemente em risco, os ucranianos também tiveram suas atividades profissionais interrompidas. De repente, a vida resume-se à guerra.

Em um painel que contou com um curto discurso gravado por pelo presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, o publicitário Pavel Vrzhesch, da agência independente ucraniana Banda, que foi eleita a mais eficiente do mundo em 2020 (segundo o Effie Awards), narrou as mudanças pelas quais o país está passando e também comentou sobre a campanha que passou a promover a "marca" da Ucrânia ao redor do mundo. Nos últimos tempos, outdoors com o slogan "Be Brave Like Ukraine" (Seja corajoso como a Ucrânia) apareceram em mais de 140 países, em locais como a Times Square, em Nova York (EUA).

Vrzhesch convocou toda a comunidade criativa a aumentar a visibilidade da campanha, como uma forma de não deixar a guerra na Ucrânia perder espaço no noticiário e na mente das pessoas. Isso ocorre, destacaram os profissionais ucranianos, porque  o ciclo de notícias acaba migrando para outros temas. A guerra, no entanto, não tem data para terminar – e está perto de completar quatro meses.

Por isso, em um website, marcas que tenham espaço de mídia já comprados com meios de comunicação, podem doar parte desses ativos para a campanha da Ucrânia, pelo site donatemedia.brave.ua. "É uma forma de ajudar a democracia e a liberdade", disse o publicitário.

Um resumo dos vencedores do Grand Prix:

Cannes Lions revelou os grandes vencedores em seis categorias. Confira um resumo de cada uma delas (com vídeos):

Health & Wellness:

Na categoria voltada a ações de saúde e bem-estar, a vencedora foi uma campanha de combate à dengue na Índia, país onde são registrados cerca de 400 milhões de casos da doença por ano. A ação The Killer Pack (ou "pacote assassino") consiste na distribuição de um inseticida que mata as larvas do mosquito da dengue em locais como lixões, onde há grande proliferação do Aedes Aegypti. O Grand Prix foi para a VMLY&R de Mumbai.

Pharma:

Na categoria voltada a produtos médicos e medicamentos, a ação vencedora não foi de uma empresa voltada ao setor de saúde, mas para a gigante de tecnologia Dell, por "I Will Always Be Me" (Eu sempre serei eu mesmo), feito pela VMLY&R. Trata-se de um livro que, por meio de uma história, ajuda pessoas com MND, doença do neurônio motor que leva à perda da fala.

O livro simplifica um projeto que visa que as pessoas gravem a própria voz antes de perder a habilidade de falar. Como a MND é uma doença terminal, é importante que os pacientes ganhem tempo: com o uso da história, associado a uma ferramenta de inteligência artificial, o tempo de gravação para preservação da voz cai de três meses para 30 minutos, segundo os realizadores da campanha.

Grand Prix for Good:

Por meio de uma série de mídias – um app, um livro e uma música, entre outros –, a agência Area 23, de Nova York, ganhou o Grand Prix for Good pelo projeto Lil Sugar, que visa a alertar crianças da grande quantidade de açúcar incluída em alimentos industrializados. Uma das funções da campanha era mostrar aos pequenos que, nos rótulos, o açúcar pode vir "disfarçado" com 150 nomes. O projeto teria atingido um total de 3 milhões de crianças americanas.

Outdoor Lions:

Para endereçar o fato de que muitas mulheres se sentem desconfortáveis em seus trajes para a prática de natação, a Adidas decidiu fazer o "Outdoor Líquido", uma iniciativa em que mulheres comuns eram convidadas a mergulhar em uma grande piscina transparente, no formato de um outdoor. O objetivo da campanha é quebrar estereótipos e também incentivar a prática de esportes. A campanha ficou a cargo da Havas Oriente Médio, com sede em Dubai.

O presidente do júri da categoria Outdoor, Eugene Cheong, CEO da DDB Ásia, acredita que o projeto deu uma bem-vinda injeção de ânimo à comunicação da Adidas: "A marca vinha há tempos dormindo no ponto, em comparação à concorrente Nike", disse.

Print & Publishing:

A categoria de mídia impressa, uma das mais tradicionais do festival, deu seu Grande Prêmio ao jornal libanês Annahar, em campanha assinada pela Impact BBDO, de Dubai. Intitulada "A edição da eleição", a peça mostrou a decisão do jornal de deixar de publicar sua versão impressa por um dia após o governo libanês ameaçar adiar a eleição por falta de papel e tinta de impressão no país. Assim, ao chegarem às bancas para comprar o jornal, os leitores encontravam o QR-Code para acessarem a edição online – já que o papel daquele dia seria usado para imprimir cédulas de votação.

Radio & Audio Lions:

Projeto da Dentsu Índia para a Vice Media, "A História sem Filtro" fez um guia diferente para o Museu Britânico: em vez de mostrar somente a história dos artefatos ali expostos, o app também informava que esses tesouros haviam sido retirados, ilegalmente, de países da África e da Ásia. Assim, chama a atenção para o fato de que, em alguns casos, os tesouros hoje expostos são frutos do desrespeito a outras culturas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.