Dilma antecipa que em abril foram gerados quase 200 mil empregos

Os números do Caged de abril ainda não foram divulgados; O número antecipado pela presidente está dentro do intervalo apontado por analistas

Ricardo Della Coletta e Sandra Manfrini, da Agência Estado,

20 de maio de 2013 | 11h07

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff destacou hoje, em seu programa Café com a Presidenta, que em seu governo já foram criados 4,139 milhões de empregos com carteira assinada. A marca "histórica", segundo a presidente, foi atingida em abril, quando foram gerados quase 200 mil novos postos de trabalho. O número antecipado pela presidente está dentro do intervalo apontado pela pesquisa do AE Projeções, que traz estimativas de 14 instituições do mercado que indicam para criação de 180.200 a 230.000 vagas no quarto mês de 2013.

Os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de abril ainda não foram divulgados pelo Ministério do Trabalho, o que deve acontecer nesta semana. Em março, o saldo líquido de empregos formais foi de 112.450 vagas, o que levou o primeiro trimestre do ano a uma criação líquida de 306.068 empregos formais no País.

"Para nós esse aumento do número de vagas de trabalho é importantíssimo, porque um dos objetivos estratégicos do meu governo é manter o emprego em crescimento", afirmou Dilma no programa de rádio. "Mais emprego e salário em expansão são os fatores essenciais para a diminuição da desigualdade no nosso País."

Ela destacou ainda a importância desse número quando comparada a situação do Brasil com a dos países desenvolvidos, em especial os países da Europa, "onde o desemprego tem crescido para níveis estratosféricos".

A presidente informou que o setor de serviços foi responsável por quase a metade dos empregos criados desde o início de seu governo. "Esse aumento do emprego no setor de serviços acontece nos países cujo crescimento eleva o nível de vida da sua população, se traduzindo em um aumento e na diversificação do consumo", afirmou Dilma, acrescentando que a população modifica o seu padrão de consumo, demandando mais serviços e de forma mais diversificada. "O Brasil não é diferente disso. Só as áreas de saúde e educação foram responsáveis por 437 mil novas vagas. Ampliou-se muito também as oportunidades de trabalho no setor de serviços financeiros, devido à chamada bancarização da nossa população, ou seja, nossa população, que antes não usava banco, passou a usar banco."

Dilma destacou ainda os empregos na indústria. Segundo ela, só no seu governo foram criados novos 470 mil postos de trabalho no setor. E esse crescimento está ocorrendo em várias atividades como indústria têxtil, indústria química, indústria de alimentos e a indústria que produz, por exemplo, material de transporte.

A presidente lembrou também das compras governamentais da indústria de transporte. "Nós temos comprado, por exemplo, vagões e trens, ambulâncias para reforçar o Samu, motoniveladoras, retroescavadeiras e ônibus escolares para serem doados às prefeituras." Segundo Dilma, essas compras do governo estão ajudando a criar empregos nesse setor. "No ano passado, durante todo o ano, essa indústria criou 2.680 novos postos de trabalho. E agora, só nos quatro meses desse ano de 2013, essa indústria criou quase 20 mil novos empregos", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.