Dilma pede 'taxa de câmbio mais real' e destaca geração de empregos no País

Em discurso no RS, presidente rechaçou críticas à economia e destacou importância de investimentos

EQUIPE AE, Agência Estado

22 de dezembro de 2012 | 13h13

A presidente da República, Dilma Rousseff, aproveitou a inauguração de um sistema de abastecimento de água em Caxias do Sul (RS) neste sábado para defender a importância dos investimentos em infraestrutura, da geração de empregos e dos programas de educação como etapas para a construção de um país que tenha crescimento sustentável. Entre as medidas adotadas neste ano no sentido de superar "gargalos fundamentais", Dilma destacou a queda das taxas de juros, a busca de uma "taxa de câmbio mais real" e a redução de impostos.

Em seu discurso, a presidente citou a capacidade de geração de empregos em seu governo, usando os dados do IBGE divulgados nesta sexta-feira (21). "Vocês viram que foi anunciada uma das menores taxas de desemprego dos últimos tempos. O IBGE divulgou que a taxa recuou para 4,9%, a segunda menor taxa dos últimos 10 manos. Só em dezembro do ano passado tivemos uma taxa menor", frisou a presidente.

Entre os programas de infraestrutura recentes, Dilma citou o incentivo à aviação regional, em especial as isenções para aeroportos do interior anunciadas na última quinta-feira (20). Ela lembrou que Caxias do Sul tem potencial para ser um dos polos da aviação regional.

Dilma disse que o crescimento econômico e a geração de empregos são importantes na missão que o governo se impôs de redução da pobreza extrema. "Há dez anos, começamos esse processo, quando o governo Lula lançou o Bolsa Família. Sem o programa, existiriam no Brasil 36 milhões abaixo da linha da pobreza", afirmou. Ao citar que em torno de 53% da população em condição de extrema pobreza no Brasil era de crianças e jovens, Dilma destacou o lançamento em 2012 da Ação Brasil Carinhoso, que ampliou o benefício do programa para família com uma ou mais crianças de até 6 anos.

Além da extensão do benefício, Dilma citou os investimentos em educação como fundamentais para o Brasil dar um salto de competitividade. Ela listou projetos como o Pronatec e o Ciência sem Fronteiras, além da destinação dos royalties e participações especiais da exploração do pré-sal para a educação como provas desse compromisso.

Dilma encerrou o discurso com uma mensagem de otimismo para 2013. "Vamos continuar a gerar emprego, reduzir a pobreza e a desigualdade e a ampliar as oportunidades para que nossos filhos e netos tenham uma vida melhor que a nossa".

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmaempregoeducaçãoeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.