Dinâmica do mercado de crédito merece atenção, diz BC

No Relatório de Inflação, BC mencionou os potenciais impactos do crédiro sobre a demanda agregada e os riscos macroprudenciais que podem se originar

Eduardo Cucolo e Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

28 de junho de 2012 | 09h26

O Banco Central informou há pouco por meio do Relatório Trimestral de Inflação que a dinâmica do mercado de crédito merece "atenção, tanto pelos potenciais impactos sobre a demanda agregada quanto por riscos macroprudenciais que dela podem se originar".

Também considera "oportunas" iniciativas no sentido de moderar concessões de subsídios por intermédio de operações de crédito. O BC informa ainda que o cenário central contempla expansão moderada do crédito.

O BC reconheceu que a alta dos preços no atacado pode ter alguma repercussão no varejo. "Considerando que recentemente houve alguma recuperação dos preços no atacado, em parte reflexo da depreciação cambial, em princípio, no curto prazo poderia haver alguma repercussão sobre os preços ao consumidor".

A instituição diz, no entanto, que é esse potencial impacto tende a ser mitigado pela dinâmica benigna que os preços no atacado têm observado em prazos mais longos, por exemplo, de 12 a 18 meses.

Esse repasse depende ainda das condições atuais e prospectivas da demanda e das expectativas dos formadores de preços em relação à trajetória futura da inflação. 

Política monetária

O Banco Central informou que, mesmo considerando que a recuperação da atividade vem ocorrendo mais lentamente do que se antecipava, o Copom entende que qualquer movimento de flexibilização monetária adicional deve ser conduzido com "parcimônia", dados os efeitos cumulativos e defasados das ações de política implementadas até o momento.

Destacou ainda que o cenário prospectivo para a inflação manteve sinais favoráveis desde março. "Neste momento, permanecem limitados os riscos para a trajetória da inflação e, até agora, dada a fragilidade da economia global, a contribuição do setor externo tem sido desinflacionária", diz o relatório.

O BC manteve a avaliação de que o aumento na oferta de poupança externa e a redução no seu custo de captação têm contribuído para a redução das taxas de juros domésticas, inclusive da taxa neutra. E destaca que essas mudanças são "desenvolvimentos de caráter permanente".

Dívida pública

O Banco Central disse que a tendência de redução da dívida pública será "solidificada" pela geração de superávits primários compatíveis com as projeções de inflação divulgadas hoje.

Diz ainda que, dessa forma, o custo de financiamento do setor público tende a recuar, "com repercussões favoráveis sobre o custo de capital de modo geral", o que estimula o investimento privado. "O Comitê reafirma que seu cenário prospectivo para a inflação está condicionado à materialização das trajetórias com as quais trabalha para variáveis fiscais", diz o BC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.