Diretor do BC defende criação de índice de preços de imóveis

Segundo Alexandre Tombini, há necessidade de um indicador de preços confiável, tendo em vista as perspectivas para o setor de crédito imobiliário

Fabio Graner, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 14h18

O diretor de Normas do Banco Central, Alexandre Tombini, defendeu a necessidade de criação de um índice de preços de imóveis (casas, terrenos, etc). Segundo ele, essa é uma agenda de "curto prazo", mas cuja discussão ainda está no início. Tombini explicou que esse índice seria elaborado não pelo BC, mas por uma outra entidade, como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ou a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

"Há uma necessidade de termos um indicador de preços confiável, robusto e com bastante abrangência. Não só para o mercado definir estratégias e mensurar riscos, mas também para o monitoramento do regulador e por parte das próprias instituições. Precisamos avançar nisso, tendo em vista perspectivas para o segmento de crédito imobiliário", disse o diretor do BC.

 

Segundo Tombini, o crédito imobiliário vai crescer mais que outras linhas nos próximos anos, liderando a expansão do crédito no Brasil. "E, para que esse crescimento se dê em bases sustentáveis, é importante ter informações confiáveis para desenho das políticas", disse.

 

O diretor enfatizou a importância da segurança nos financiamentos, especialmente na "originação do crédito", para evitar problemas futuros para a economia. "A qualidade da expansão do crédito é muito importante. O BC está atento para atuar com medidas de caráter prudencial", disse.

 

Tombini ressaltou que o avanço do mercado imobiliário está ocorrendo por conta da estabilidade macroeconômica e também pelo melhor "arcabouço legal", mas ressaltou que o nível de crédito imobiliário em relação ao tamanho da economia no Brasil ainda é baixo, tendo bastante espaço para crescer. "Nosso dever é cuidar para que isso ocorra em bases sólidas e sustentáveis", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.